Devido ao grande número de mortes e infectados pelo novo coronavírus, bem como anúncios de uma crise econômica e social, muitos têm se perguntado “Será que a China poderia ter evitado a pandemia”?

Dessa maneira, esse post apresentará o surgimento da doença, relacionando-o aos primeiros passos da China.

Com medidas autoritárias, China pode ter controlado coronavírus

Os dados e informações usados como base para esse post estão contidos no vídeo

O início do surto 

Isto posto, para essa pergunta ser respondida, é preciso, primeiramente, analisar o surgimento do novo coronavírus, lembrando que não há informações sobre o surgimento preciso da doença. 

Sendo assim, o surto da doença surgiu em dezembro de 2019 na cidade mais populosa da região central da China (11 milhões), Wuhan no distrito de Hubei. 

Dessa forma, os primeiras vítimas da nova pneumonia viral que alastrava a cidade estavam associadas a um mercado atacadista de frutos do mar

Esse mercado era responsável pela venda de animais silvestres, e havia tido seu funcionamento autorizado pelas autoridades de Wuhan. 

Marco zero de coronavírus pode ser mercado que vendia cobras e ...

Entretanto, segundo uma reportagem publicada no The New York Times, as condições do mercado atacadista eram prejudiciais a saúde. 

Assim, as contaminações aumentavam, e no decorrer das análises quadro clínico dos pacientes era demostrado a resistência desse novo coronavírus a medicamentos antigripais.

Dessa forma, no dia 26/12 é confirmado que se trata de um novo coronavírus que apresenta 80% de similaridade com o SARS.

Quer saber porque o impacto do coronavírus foi bem maior que o SARS, mesmo ambos tendo sido originários da China? Clique aqui.

Você sabia que, conforme um estudo publicado no The Lancet, é possível identificar o primeiro caso no dia 1° de dezembro de 2019?

 Todavia, somente no dia 31/12, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan assume o surto do novo coronavírus na cidade associado ao mercado atacadista. 

O posicionamento do governo chinês 

Consequentemente, a notícia de um surto de uma pneumonia viral na cidade de Wuhan começou a ser espalhada no meio médico, para ,em seguida, chegar a população.

Quanto às notícias do surto:

Em meio a esse cenário, o governo chinês censurava diversas palavras-chave relacionadas ao surto do novo coronavírus nas principais redes sociais da China, Weibo e WeChat. 

Diante disso, pessoas foram presas por compartilhar “notícias falsas” quanto ao novo coronavírus, segundo o governo chinês,  e outras estão desaparecidas após compartilhamento de informações.

Apesar das censuras, conforme um estudo do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doença,  já haveria 109 casos confirmados e 15 mortes do novo coronavírus no dia 31/12.

Quanto ao mercado:

Consequentemente, no dia 1° de janeiro de 2020, o mercado atacadista de frutos do mar de Wuhan é fechado pelo governo chinês, para descontaminação

Isso dificultou o recolhimento de amostras ambientais suficientes para o processo de descoberta dos possíveis hospedeiros intermediários do vírus.

Fecha o lendário mercado de peixes Tsukiji, em Tóquio - 05/10/2018 ...

Além disso, conforme o The Times, uma autoridade de Wuhan havia exigido a destruição de amostras do novo coronavírus que a associassem ao surto. 

Quanto ao descaso do governo:

Nessas circunstâncias, a China se encontrava perto das comemorações do Ano Novo Lunar, que em 2020, ocorreram entre os dias 25 de janeiro a 11 de fevereiro.

Todo o ano essas comemorações são responsáveis por um grande deslocamento da população chinesa ao redor do mundo. 

Sendo assim, apesar das suspeitas do surgimento de um novo coronavírus, essas viagens não foram restringidas pelo governo chinês.

É importante saber que nesse período não havia certeza de que a transmissão acontecia de humano para humano, o que facilitou a decisão do governo. 

Coronavírus: Brasil registra 12 casos suspeitos; 7 em São Paulo

Você sabia que dados apontam que pelo menos 5 milhões de pessoas saíram de Wuhan nesse período?

Finalmente, no dia 09 de janeiro, o governo chinês divulgou a primeira morte pelo coronavírus, apesar de setores paralelos apontarem a existência de pelo menos 757 casos confirmados até então.

Todavia, somente no dia 21 de janeiro, o principal órgão do partido chinês reconhece publicamente o surto do novo coronavírus no país.

Em consequência, é decretado quarentena em Wuhan e nas províncias de Hubei pelo governo chinês no dia 23 de janeiro.

Paralelo a isso, o vírus se espalhava por outras regiões do mundo, infectando pessoas que não haviam tido contato com o mercado atacadista. 

Dessa forma, aumentaram as suspeitas de contaminação de pessoa para pessoa, o que foi confirmado pelo governo chinês no dia 19 de janeiro.

Em decorrência disso, países do mundo inteiro passaram a adotar medidas restritivas e de fechamento de fronteira para pessoas vindas das regiões contaminadas.

Informações adicionais

No dia 09 de fevereiro, o número de mortes pelo coronavírus supera o da epidemia de SARS em 2003.

No dia 11 de fevereiro, a OMS anuncia o nome oficial do novo coronavírus: Covid-19.

A China poderia ter evitado a pandemia? 

Diante dessas informações, é possível notar o atraso do governo chinês em reagir ao surto do novo coronavírus que acontecia em Wuhan.

Do mesmo modo, um estudo feito no início de março (11) pela University of Southampton no Reino Unido, afirmou que, em um cenário hipotético, a contaminação do coronavírus pelo mundo apresentaria queda de:

  • 66% se a China houvesse agido 1 semana antes;
  • 86% se a China houvesse agido 2 semanas antes;
  • 95% se a China houvesse agido 3 semanas antes.

Ademais, a escolha pelo governo de censurar assuntos relacionados à pandemia, revelou uma falta de transparência quanto ao surgimento e a gravidade do novo coronavírus.

Dessa maneira, segundo uma publicação da organização francesa “Repórteres Sem Fronteira”, se o governo não houvesse censurado as informações, a mídia chinesa teria alertado quanto ao vírus há mais tempo.

Você sabia que a organização Repórteres Sem Fronteiras é uma organização não-governamental internacional que defende a liberdade de imprensa no mundo?

Somado a isso, o governo chinês é acusado de negligência quanto às condições precárias de saneamento do Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Wuhan e de outros estabelecimentos similares.

Assim como, de não atender às advertências de alguns países de que animais silvestres poderiam conter o vírus. 

 Todavia, somente no dia 24 de fevereiro, o governo chinês proibiu o comércio ilegal de animais silvestres, bem como o hábito de comê-los.

Em suma, pode-se dizer que o cenário social e econômico atual do mundo inteiro é resultado do posicionamento inicial em relação a Covid-19, que teve seu início na China.

📣Gostou do post? Não esqueça de compartilhar com seus amigos.