Você sabe quem foi Adam Smith?

Foi um economista considerados por muitos como “pai do liberalismo”.

Crescimento econômico, ética, educação, divisão do trabalho, livre concorrência, evolução social foram temas abordados por ele.

Hoje, o Boletim Econômico vai explicar como ganhou esse “título”. Ficou curioso? Continue lendo nosso post.

Quem foi Adam Smith?

Adam Smith nasceu na pequena cidade portuária de Kirkcaldy, Escócia, em 16 de julho de 1723.

Porém, onde morava só existia uma fábrica de alfinetes como atividade industrial. Logo, começou a observar a organização e funcionamento do estabelecimento. Foi seu primeiro contato com formas de produção.

Estudou no Colégio “Burgh School of Kirkcaldy”, onde se dedicou ao latim, matemática, história e escrita. Com 14 anos entrou no curso de Filosofia na Universidade de Glasgow. Formou-se em 1740, com 17 anos.

Dessa maneira, recebeu uma bolsa de estudo para estudar no “Balliol College”, da Universidade de Oxford.

Logo depois, ministrou aulas de retórica e filosofia,  na Universidade de Glasgow. E mais tarde, em 1758, foi eleito reitor da Universidade. Nesse meio tempo se tornou amigo do filósofo David Hume, tendo pensamentos influenciados por essa nova companhia.

Adam Smith nunca se casou e quase nada se sabe de sua vida íntima. No dia 17 de Julho de 1790, o economista faleceu em Edimburgo.

Assim, o pensamento de Adam Smith fundaria a teoria econômica e suas obras são referências para os economistas e filósofos de todo o mundo até hoje.

Adam Smith: biografia, teoria e a riqueza das nações - Toda Matéria

O que Adam Smith defendia

Ao longo de sua vida, escreveu diversos livros, sendo que dois deles são considerados suas principais obras. Veja abaixo, como as obras influenciam na economia até hoje.

Teoria dos Sentimentos Morais

Teoria dos Sentimentos Morais foi escrito em 1795 com influência de ideias do seu amigo Hume.

Dessa maneira, ambos acreditavam na relação entre a moral natural, baseada no impulso egoísta e no altruísmo. Assim, nessa obra ele analisa criticamente a moral do seu tempo e da natureza humana, buscando entender suas motivações para atuar na sociedade.

Riqueza das Nações

Para escrever outro livro, juntou notas sobre diversos temas que colecionava durante trinta anos. Inicialmente o nome era Uma Investigação sobre a Natureza e as Causas da Riqueza das Nações. Porém, nós conhecemos hoje como Riqueza das Nações.

Dessa forma, nesse livro explica a natureza do sistema econômico, as mudanças pelo qual a economia passava no século XVIII e aponta novos caminhos diante da Revolução Industrial inglesa que engatinhava.

Afinal, a economia se move pelo interesse privado das pessoas. Em outras palavras, um trabalhador não se levanta toda manhã apenas porque ama seu trabalho ou deseja praticar o bem.

Ele sabe que precisa desta ocupação para sobreviver. Porém, com este gesto, ele ajuda toda a sociedade, pois graças ao seu esforço, as pessoas que dependem dele, também são beneficiadas.

Adam Smith e o mercado

Smith também defendia a Mão Invisível do Mercado. Isso significa dar às pessoas maior liberdade possível para produzir, comprar e vender, sem com a interferência mínima do Estado.

Muitas vezes, para vender seu produto vai ter de ajustar os preços às expectativas de quem quer comprar, deixando o Mercado por si só equilibrar os preços.

Dessa forma, essa linha de pensamento liberal, na prática, defende a livre ação do mercado. Tanto a oferta quanto a demanda, são definidas de acordo com o mercado.

Não sabe como funciona o Mercado na economia? Não se preocupe. A gente já explicou nesse texto.

Do mesmo modo, Smith defendia a liberdade contratual (entre patrões e empregados), a propriedade privada e era contra o Mercantilismo (a riqueza de um país era sinônimo de acúmulo de ouro).

Dessa forma, para Smith a verdadeira riqueza era a habilidade de um país de produzir bens.

Assim, o trabalho deveria ser realizado por etapas, com o objetivo do trabalhador ser o melhor na função, criando uma mão de obra especializada.

Lets Eat GIF by Hunter Preston

Pai do liberalismo

Em suma, Adam Smith é até hoje considerado o “Pai do liberalismo” por pregar ideias inimagináveis no século XVIII. Ideais que até hoje são atuais e debatidas.

Adam Smith não chegou a ver as grandes fábricas da Revolução Industrial, mas soube prever e antecipar mudanças que elas trariam para o mundo.

Deixa ai nos comentários se você gostou de saber um pouquinho mais sobre Adam Smith e o liberalismo.