O FMI fez projeções sobre a dívida pública global de 2020, que pode ser a maior desde a Segunda Guerra Mundial.

Ou seja, de acordo com o Fundo Monetário Mundial, a crise instalada em 2020 tem o potencial de ser a maior já vista no mundo.

Com aumento na dívida pública em diversos países para conter os avanços da pandemia, o PIB tem sido uma métrica devastada. No Brasil, por exemplo, é esperado uma retração no PIB de -6,5% em 2020.

O que é a dívida pública global?

De acordo com o Tesouro Nacional do Brasil, a dívida global refere-se a todas as dívidas contraídas para financiamento de déficit orçamentário. 

Além disso, entra também o refinanciamento da própria dívida contraída. No Brasil, a dívida pública é administrada pelo Ministério da Economia.

Com o cenário do novo coronavírus, o mundo se deparou com sérias crises na saúde e na economia. Diante disso, os governos tiveram que buscar recursos, de onde não tinham, para financiar as medidas de combate a pandemia.

Geralmente, chamamos isso de política fiscal emergencial. Para ler mais sobre políticas fiscais, clique no botão abaixo.

Nesse contexto, de acordo com o FMI, entramos na pior recessão desde a Grande Depressão, episódio conhecido como a crise de 1929.

Sendo assim, segundo a organização, os governos devem resistir à tentação de acumular demasiada dívida, mesmo com as atuais condições financeiras favoráveis, para não comprometerem a recuperação econômica futura.

Porquê o Fundo Monetário Internacional está preocupado com a dívida global?

O FMI alerta que a “força da recuperação da economia global é altamente incerta, e o impacto sobre setores e países é desigual“.

Com isso, a organização informa que o quadro de 2020 pode ser ainda pior, e 2021 deverá mostrar uma recuperação lenta.

FMI, coronavírus e dívida global.

Portanto, até o final de 2021, o Fundo prevê que pelo menos U$ 12 trilhões sejam perdidos com a desaceleração do mundo.

Um dos pontos negativos que o FMI destacou são os setores afetados pela crise, que podem ter recuperação mais lenta. O setor de turismo, por exemplo, que está com demanda reprimida, pode ter uma recuperação mais demorada. 

Ademais, o FMI destacou que trabalhadores de baixa renda e semiqualificados para o teletrabalho serão os mais afetados pela crise do novo coronavírus.

Por fim…

Portanto, diante da dívida pública global provocada pela pandemia do COVID-19, o Fundo Monetário Internacional se preocupa com o cenário econômico mundial pós-coronavirus.

Uma vez que, alguns países podem demorar mais para se recuperarem em relação a outros, além de as previsões não serem as melhores para o ano de 2021.

📚💸 O Boletim Econômico é uma iniciativa de estudantes para estudantes. Por isso, se gostou do post, compartilhe com seus amigos e deixe-nos saber!