Conheça a história do PT

Por 14 anos, o PT governou o Brasil e deixou vários legados para a nossa história. Entre eles, a eleição de um operário e sindicalista à presidência, e a eleição da primeira presidente mulher do país.

Além disso, o partido realizou muitas conquistas no campo da saúde e da educação. Assim como os melhores índices de desenvolvimento econômico da história do país.

Contudo, sua passagem na política divide opiniões até hoje.

Assim, no texto de hoje, o BE vai contar a história do Partido dos Trabalhadores e um pouco da história do país.

E aí, está interessado? Então se prepara e vem comigo!

A fundação do partido

No ano de 1980, o Brasil era governado pelos militares, que reprimiam e oprimiam toda a população . Em resposta a isso, a sociedade se manifestava e fazia greves.

Nesse contexto, os operários das indústrias exigiam melhores condições de trabalho e melhores salários. Então, por meio de greves e sindicatos, os trabalhadores se organizaram para reivindicar seus direitos.

Por isso, os líderes dos sindicatos tiveram a iniciativa de criar um partido. Entre eles, estavam: Luis Inácio Lula da Silva, José Cicote, Henos Amorina, Paulo Skromov, Jacó Bitar e Olívio Dutra.

Mas, além deles, outros grupos também contribuíram para a fundação do PT, como por exemplo o PCdoB, professores, padres, camponeses e os militantes.

Em suma, o PT representou os operários, os camponeses, os perseguidos pela ditadura, e toda a ala de esquerda.

Fundação do PT no colégio Sion, em São Paulo. Foto de Juca Marins.

A formação do Partido dos Trabalhadores

Apenas dois anos após a sua fundação, o PT já conseguiu grandes feitos. O primeiro foi eleger seus primeiros candidatos. O segundo feito foi contribuir para a criação da CUT (Central Única dos Trabalhadores). E, por último, ser um dos responsáveis pelo movimento “Diretas Já” em 1984, que pôs fim ao Regime Militar.

Movimento “Diretas Já” em 1984. Foto de Juca Martins.

Com o fim do Regime Militar e a criação da Constituição de 1988, o Brasil teve a sua primeira eleição após 20 anos. A disputa foi entre Lula e Collor.

Os dois candidatos se posicionaram em lados opostos: Lula representava a ala da esquerda, enquanto que Collor espelhava o interesse das elites e dos empresários.

Debate político entre Lula e Collor, em 1989.

Nessa disputa, Collor saiu vitorioso. Porém, o PT trabalhou para popularizar a imagem de Lula para as próximas eleições.

Lula: Uma liderança em ascensão

De origem pobre e humilde da pequena cidade de Garanhuns, em Pernambuco, Luiz Inácio Lula da Silva migrou da região onde nasceu para São Paulo.

Uma vez aqui, desde muito novo, teve que trabalhar para sustentar sua família.

Ao completar 18 anos, começou a se envolver com os movimentos sindicais. Em 1975, se tornou presidente do sindicato dos metalúrgicos.

Lula jovem, com menos de 18 anos.

Com seu passado bastante ativo nas lutas sociais e na representação dos operários e trabalhadores, Lula se provou ser um líder carismático e bem articulado.

Porém, embora derrotado nas eleições de 1989 por Collor, Lula construiu uma base eleitoral muito forte ao longo da década de 90.

Assim, os anos 1990 marcaram a história do Partido dos Trabalhadores como o período de sua ascensão.

PT: Um partido em ascensão

Nas eleições de 1994 e de 1998, o PT saiu derrotado nas urnas. Isso se deu por dois motivos. O primeiro foi o discurso radical assumido pelo partido. O segundo foi a forte imagem de Fernando Henrique Cardoso. Contudo, o partido conseguiu eleger:

  • 7 senadores;
  • 59 deputados federais;
  • 90 deputados estaduais;
  • 5 governadores, no Distrito Federal, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, e Acre;
  • 111 prefeitos em todo o Brasil.

Assim, isso mostrava a força eleitoral do partido. Além disso, também o colocava, já nesse momento, como um dos maiores partidos do Brasil.

Comício da candidatura de Lula no Rio Grande do Sul, nas eleições de 1998.

Apesar disso, houve uma série de denúncias de corrupção e diferenças ideológicas do próprio partido, que levaram à saída de alguns de seus membros.

Mas isso permitiu que o partido maneirasse nos seus discursos, e fizesse acordos com os setores conservadores e com os empresários.

Então, com um discurso mais maneirado e com uma eficiente propaganda eleitoral, Lula venceu as eleições de 2002, contra o candidato Serra, do PSDB.

Os governos do PT: O primeiro mandato de Lula

Em 2002, Lula era um político diferente desde a sua primeira tentativa de eleição em 89. Agora, era um candidato mais moderado.

Este programa moderado vinha com o compromisso de estabilizar a economia do país. Junto a isso, a candidatura de Lula contava com a aliança com José de Alencar, que tinha um vínculo com os empresários.

Assim, diante disso, Lula negociou com seus opositores, aliou-se aos setores empresariais e seguiu com os fundamentos econômicos do Plano Real do governo FHC.

Posse de Lula em 2003

Nos primeiros anos de seu governo, houve bastante incerteza sobre a economia. Mas, mesmo assim, graças a uma eficiente administração, o governo conseguiu estabilizar a inflação, diminuir a taxa de desemprego, parear o preço do dólar ao real e expandir a economia brasileira.

Essa estabilidade econômica construída durante o período de 2002 até 2006, foi importante para o partido formar novas alianças e aprovar suas políticas sociais. Dentre essas políticas sociais, estão o bolsa família, o aumento do salário mínimo e a expansão dos programas FIES e PROUNI

Por outro lado, abriu margem para uma corrupção interna, que repercutiu no escândalo que ficou conhecido como o Mensalão.

O segundo mandato de Lula

A eleição de 2006 revelou uma surpresa: Lula perdeu votos em áreas ricas, mas, por outro lado, ganhou votação em áreas carentes.

Isso se deu devido aos resultados dos projetos sociais e econômicos promovidos no primeiro turno, que surtiram efeito principalmente nas zonas mais pobres.

Além disso, outro ponto decisivo para a vitória do Lula na sua reeleição foi a aliança com o partido PMDB, que ampliou ainda mais sua base eleitoral.

Então, com a vitória de Lula sobre o candidato Geraldo Alckmin, Lula se reelegeu e ampliou seu mandato por mais 4 anos.

Posse de Lula na sua reeleição em 2006.

O segundo mandato do presidente Lula representou para o PT, o auge da sua história. Assim, vão existir 3 pontos principais para o sucesso do PT:

  • A gestão diante da crise de 2008 e a PAC (Programa de Aceleração Econômica).
  • A ampliação de programas sociais e da elaboração do programa “Minha casa minha vida”
  • As ótimas taxas econômicas, o prestígio mundial e uma boa política interna e externa.

Dilma: O desafio

Em primeiro lugar, a eleição de 2010 se mostrou desafiadora para o PT. O principal desafio foi escolher quem seria o sucessor de Lula.

Para isso, Lula indicou Dilma Rousseff para a candidatura, que, embora muito criticada, venceu as eleições de 2010 contra o candidato Serra, do PSDB.

Posse de Dilma em 2011.

A eleição de Dilma Rousseff para presidente representou a conquista, não só para o partido, mas para a história do Brasil, da primeira presidente mulher na História do país.

Para reafirmar as alianças construídas no governo Lula, o PT lançou como vice, o candidato Michel Temer, do PMDB.

Antes de tudo, o governo de Dilma tentou manter a essência dos governos de Lula, se comprometendo com a mesma linha de políticas públicas. Além disso, seu governo deu bastante foco à Justiça de Transição, buscando investigar os crimes da ditadura e criando a Comissão Nacional da Verdade (CNV).

Mas, o principal desafio para o governo foi no campo econômico. Primeiramente, a presidente herdou o desafio da crise internacional iniciada em 2008. Em sequência, o preço dos commodities agravou a situação e gerou aumento dos gastos públicos, o que aumentou a inflação.

Dessa maneira, o principal sintoma da alta inflação foi a chamada “jornada de junho em 2013”, na qual os protestos começaram como uma manifestação contra a alta dos preços. Mas abrangeram outras questões, como a corrupção e a PEC 37.

Jornadas de Junho de 2013, Distrito Federal, foto do arquivo EBC

Diante disso, esse cenário político e econômico complicado, as eleições de 2014 preocuparam o governo.

  • Você sabe o que são commodities? Clique aqui que o BE te explica.

O segundo mandato de Dilma: o impeachment

A eleição de 2014 foi extremamente acirrada entre a candidata Dilma, do PT e o candidato do PSDB, Aécio Neves.

Posse de Dilma na sua reeleição em 2015.

A vitória de Dilma Rousseff nas eleições de 2014 se deu muito pela memória dos governos de Lula. Porém, os próximos anos ficaram marcados pela deterioração econômica e a articulação da oposição para a subida no poder.

Além disso, o governo petista acabou cometendo erros graves durante a gestão. O erro que significou o rompimento com sua base e levou ao impeachment da presidente, foi o apoio do partido na cassação do mandato de Eduardo Cunha.

Esse ato de “traição” contra o presidente da câmara dos deputados e da sua coalizão, custou bem caro ao partido. Dilma foi alvo de um plano da oposição para pôr fim a 14 anos de hegemonia petista, na qual a presidente foi acusada de cometer crimes de responsabilidade, cujo pedido de investigação teve a iniciativa do próprio Eduardo Cunha.

O impeachment impediu Dilma Rousseff em 2016 e a condenou por pedaladas fiscais.

Em meio a esse cenário de impeachment, a oposição projeta sua imagem em dois candidatos: o vice-presidente Michel Temer e nas eleições de 2018, em Jair Bolsonaro.

Foi Golpe?

O impeachment da Dilma foi norteado por duas acusações.

A primeira acusação foi a pedalada fiscal, que na verdade, são atrasos no repasse do dinheiro aos bancos, que faziam o pagamento dos programas sociais, como o bolsa família, minha casa minha vida, seguro desemprego, etc. Então, essas instituições faziam o pagamento com os próprios recursos.

A segunda acusação se baseou na infração do decreto de crédito suplementar, ou traduzindo, que o congresso não foi consultado para o pedido de ampliação do teto máximo de gastos públicos.

Diante disso, o pedido de impeachment foi investigado e teve prosseguimento no congresso, em que foi decidido por 367 à 137 o impedimento da presidente.

Em vista disso, foi Golpe ou não foi? É difícil dizer. Isso porque erros graves na administração e na política foram cometidos pela presidente Dilma. Além disso, é importante ressaltar que o mercado externo agravou a economia do país.

Ademais, a perda de sua base aliada no congresso, o chamado “centrão”, debilitou a sua governabilidade. Sem contar que a oposição orquestrou todo um plano para o impedimento da presidente Dilma Rousseff.

Congresso dividido no dia de votação do pedido de impeachment

Portanto, houve um plano da oposição em conjunto com o “centrão” para interromper o governo de governar e pôr fim aos 14 anos de governo petista. Contudo, não se pode desvincular a má administração e algumas péssimas decisões ao PT.

Cenário atual do partido

Após o impedimento da presidente Dilma e a interrupção de seu governo, que durou 14 anos, o Partido dos Trabalhadores perdeu o seu protagonismo político.

Para agravar a situação, as eleições de 2018, disputadas pelo candidato Fernando Haddad e Jair Messias Bolsonaro, puseram fim definitivo da tentativa de reassumir a presidência.

Ao mesmo tempo, Lula foi acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, recebendo a sentença de 9 anos e 6 meses pela investigação da Lava Jato, pelo Juiz Sérgio Moro.

contradições nesse processo da Lava Jato, cuja orientação política foi comprovada, e a sentença condenatória de Lula foi anulada.

Diante disso, a previsão para as eleições de 2022, são otimistas. O PT busca resgatar a trajetória do ex-presidente Lula para disputar as eleições do ano que vem. E, conta para isso, com o apoio dos aliados de esquerda para realizar sua campanha na disputa à Presidência. A eleição do ano que vem promete ser acirrada entre os dois principais candidatos: Lula e Bolsonaro.

E aí, gostou do texto? Já conhecia a história do PT? Conta pra gente nos comentários.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Economia e a 1ª Revolução Industrial

Próximo

Cop-26: Resultados e Compromissos