5 filmes para entender o Brasil

Aproveitando o final de semana e feriado, separei aqui, cinco filmes para melhor entender o Brasil atual. Digo isso, pois cada obra escolhida fala de um aspecto da nossa sociedade. Assim, cada uma explora um ponto de vista. Por conseguinte, afirmo que a realidade é muito mais complexa que um filme. Similarmente, a lista auxilia nesse processo de ajudar a “ler” esse Brasil ao longo do tempo.

Além disso, devido à nossa amizade, acrescentei algumas outras obras cinematográficas. No entanto, esse bônus não possui o mesmo volume de informações da lista comentada!

Acesso em: 10 out. 2021.

Primeiramente, recomendo você conferir a primeira parte desta lista! Nela, aponto alguns conceitos e ideias que vou retomar aqui! Para que o texto não se torne repetitivo, vou trazer à tona, de volta, algumas coisas da primeira lista comentada, mas de maneira mais breve. Além disso, abordarei aqui, tantas outras visões e temas. Para ver a primeira lista,

Amiga(o), já pegou a pipoca que você vai comer para acompanhar essa lista? E mais do que isso, qual o hambúrguer e sobremesa que vai escolher para “maratonar” todos esses filmes?

Aliás, devido a uma falsa amnésia, esqueci de mencionar na primeira lista, que todos as obras cinematográficas que indiquei, assisti anteriormente. Todos esses filmes fizeram parte da minha formação acadêmica, escolar, ou da vida pessoal! Assim, como sempre “jogo limpo” com vocês, achei necessário frisar essa informação! Se você leu a anterior produção e ficou na dúvida, agora já sabe! Jamais acharia correto falar de algo que eu não possuo domínio ou que não conheço à fundo. Não seria ético!

Afirmo aqui que se tratam de muitos “Brasis”! Assim sendo, tendo em vista que você pode aproveitar este feriado para “viajar pelo cinema”, decidimos fazer uma parte dois! Verifique a classificação indicativa das obras cinematográficas.

Obras Cinematográficas, “Brasis” e Momentos de Crises

Dedico esse texto a todos os cidadãos do Brasil, que passando pelas mais diversas condições, têm resistido de teimosos! E que bom que somos assim persistentes. Talvez esse texto possa aliviar um pouquinho o seu estresse.

Da mesma forma, espero também, que o faça refletir sobre “como chegamos até aqui”. Outro interessante ponto, é que essa lista pode te ajudar a pensar soluções para a situação atual. Mesmo que o uma pessoa não faça tudo sozinho, as ações individuais podem influenciar e contribuir positivamente para uma melhora.

Por assim dizer, Júlia Calvo sempre retoma em suas aulas de “Estágio Obrigatório” ligado à docência de História, uma desafiadora ideia. Segundo a historiadora e doutora em Ciências Sociais pela PUC Minas, é na crise que “damos o salto”. Ou seja, são nos momentos de crise, como a atual, que a história mostra uma série de transformações.

Como a docente sempre relembra, não que as crises sejam desejáveis. Entretanto, ao passo em que elas acontecem, nessas situações os indivíduos se reinventam. Por assim dizer, pensam soluções e formas de lidar com os problemas. Em suma, atualmente vivemos crises de várias ordens, diversas, de áreas distintas.

Não devemos romantizar ou ter uma visão cegamente positiva sobre a realidade. Mas ter um pouco de esperança e agir, são coisas importantes, já dizia Paulo Freire, uma das maiores referências mundiais em educação.

Em resumo, o texto passado dediquei ao povo que sai de casa para ganhar o “pão de cada dia”. Esse grupo, que não possui o privilégio de se manter em total segurança, “enfrenta tudo na coragem”. A inspiração para a primeira parte da lista veio de um pássaro em minha janela.

Conforme essa ideia, seria ele, o meu guia para conhecer esses “Brasis”. Não saindo de casa, seria ele, juntamente com os filmes, uma “janela” para ver o mundo.

O “Pulo do Gato” que Observa o “Pássaro na Janela”

Sob o mesmo ponto de vista, essa segunda lista seria o “pulo do gato”. Para os donos de felinos, seria o momento em que o seu gato fica observando atentamente uma ave qualquer que aparece na janela. De acordo com essa analogia, o pássaro é a possibilidade de ver esses “Brasis”, nesse caso, por meio dos filmes.

Isso pois, essas obras cinematográficas ajudam a entender a nossa diversidade e os problemas do país. Aliás, questões essas de várias origens: sociais, econômicas, culturais, políticas, educacionais, diplomáticas, entre outras. Por essa razão, são muitos “Brasis”, realidades em um mesmo território nacional. Elas “acertam em cheio” a nossa economia!

O “pulo do gato” seria observar essa realidade e pular, agarrar o pássaro. Em resumo, seria agir de maneira precisa, alterando os nossos “Brasis” e as suas realidades complexas, os nosso “problemas”. Tendo em vista que a história é feita de mudanças e permanências, é possível “melhorar as coisas”.

Ou talvez, a melhor expressão não seja “pulo do gato”, mas: “voo da ave de rapina”. Esse pássaro possui o bico afiado, vê tudo com precisão. Da mesma forma, seu ataque é direcionado e “certeiro”. Ou seja, queremos observar esses “Brasis” com atenção, para depois agir de maneira adequada.

“Quanto Vale ou é Por Quilo?” e o Brasil Colônia, Brasil República

Acesso em: 9 out. 2021.

O drama lançado em 2005, explora uma série de críticas à sociedade contemporânea brasileira. O filme lança uma forte crítica às pessoas endinheiradas que se envolvem em ações beneficentes com segundas intenções. Mesmo que a obra não tenha sido produzida no “boom” das redes sociais, é possível traçar tal paralelo.

A obra tece julgamento às inúmeras ONG’s – Organizações não Governamentais no Brasil que gastam mais em logística do que, de fato, em auxílio para os meninos de rua. Em suma, é pensar como as ONG’s passaram a ser foco de desvio de verba. Sendo para alguns, um negócio, são tratadas as ironias, contradições dos “Brasis”.

A trama que relaciona passado e presente, nos faz refletir sobre as nossas permanências na sociedade. O que temos de Brasil Colônia nesse Brasil República? De onde surgiram as desigualdades sociais do nosso país?

O filme faz vários paralelos entre a situação atual e o processo de ocupação das favelas a partir do fim da escravidão. A obra explora como as pessoas carentes são vistas como um pedaços de carne, como que: “vendidas por quilo”.

Além disso, quais as ações de reparação social que fazemos atualmente? Como esse processo afeta a economia familiar? Quais as formas de resistência utilizadas por pessoas escravizadas? Quais as consequências econômicas e sociais devido à marginalização socioeconômica e espacial desses sujeitos?

O filme dura uma hora e cinquenta minutos e está disponível noYouTube.

“Morte e Vida Severina” e as Secas do Brasil Nordestino

Acesso em: 9 out. 2021.

A animação lançada em 2012 conta um pouco sobre a vida de Severino. A produção foi feita a partir de uma parceria com a TV Escola. João Cabral de Melo Neto, de acordo com a editora Companhia das Letras, nasceu no Recife na década de 20 do século passado. O escritor faleceu em 1999. Sua trajetória conta com viagens para vários locais do globo, além de ocupar cargo de embaixador. O poeta foi altamente premiado.

Me recordo que li o livro ainda na escola. A poesia não era muito a “minha cara”. Mas essa animação e livro mudaram tudo. A narrativa do filme tem o mesmo texto do poema. Entretanto, os desenhos passam tanta emoção, que todo aquele vocabulário mais complexo, fica de fácil compreensão.

A história é sobre “um tal” de Severino. Logo no começo, o narrador mostra como ele não é só uma pessoa, mas representa toda uma região. O narrador revela que existem vários “Severinos”, ou seja, pessoas que passam por esse mesmo tipo de situação.

Mas indo além disso, como o personagem é forçado a sair da sua casa. Trata-se da história da seca, fome e as dificuldades na região nordeste do país. Contudo, indo além disso, o filme aborda as persistências desse povo.

Nos faz pensar na ideia de se colocar no lugar do outro. Entende-se assim, a importância de políticas públicas e auxílios para resolver questões como o direito à água. Aliás, de acordo com o site do Planalto, significa um direito humano. Em síntese, é um direito básico, que sem ele, não é possível obter outros. Óbvio, sem água nós morremos. E Severino também diz isso! Seu gado morre, famílias são destruídas.

Segundo a última fonte, a ONU entende que o tratamento de esgoto e acesso à água limpa e potável são fundamentais para uma vida de qualidade.

Como esse tipo de coisa afeta a economia local e nacional? Quais as soluções? Quais os pontos fortes dessa área do país?

A obra possui cinquenta e cinco minutos de duração e está disponível no YouTube.

“Temporada” e o Brasil República

Acesso em: 9 out. 2021.

Confesso que “descobri” este filme quando me desafiei a ver todo o catálogo de obras brasileiras da Netflix. Percebi um interessante ponto em comum! Os filmes brasileiros são incríveis, em sua maioria. Muitos deles, repletos de críticas e interrogações sobre o mundo ao redor.

Vários deles são financiados por instituições privadas e/ou públicas. Assim, lanço aqui uma questão: por que não assistimos as produções do nosso país? Por que não conhecemos e lemos nossos poetas? O que nós sabemos sobre esses “Brasis”? De que maneira isso interfere na nossa forma de ver a política, economia local e nacional?

A disciplina de História na sua escola contava sobre as heranças coloniais no nordeste? A História presente no livro didático da sua escola conta sobre o cidadão comum? Sobre o povo? Sobre a mulher? Quem tem seus direitos atendidos no Brasil atual? O que mudou? O que permaneceu?

Em suma, a obra trata do cotidiano de uma mulher negra e com um corpo não padrão. Ou seja, toda sociedade projeta o seu ideal de beleza. Entretanto, podemos pensar sobre como isso tem afetado a indústria da moda, as redes sociais, as pessoas e sua saúde mental. Assim, a história foca no cotidiano de uma mulher que foge de vários estereótipos.

A trilha sonora é brilhante. Os silêncios são preciosos para o espectador tirar suas conclusões, afinal, a obra não “entrega” tudo de “mão beijada”. O filme foi premiado nacionalmente e internacionalmente.

Aliás, Lilia Schwarcz tem uma interessante referência sobre o tema. “Nem preto nem branco, muito pelo contrário” discute sobre a solidão da mulher negra. Baseado em dados numéricos e oficiais, a historiadora aborda porque a mulher negra é a menos escolhida para se tornar esposa. O que isso tem a ver com o racismo e o Brasil Colônia? Quais são os impactos nos núcleos familiares? Além disso, aborda sobre as identidades do povo brasileiro, como ele se vê e se descreve.

O filme está disponível na Netflix, lançado em 2018. O longa possui duração de uma hora e cinquenta e cinco minutos.

“O Menino e o Mundo” e o Brasil República

Acesso em: 9 out. 2021.

A aventura é uma animação daquelas que te prende! Tenho 24 anos de idade e confesso que o filme me cativou! Ele conta a história de um menino que morava no campo com sua família. Mas o pai, em busca de trabalho, vai embora. Assim, a história se desenrola com ele a procura do homem. O menino viaja o mundo!

Ganhador de prêmios nacionais e internacionais, nos faz pensar sobre o mercado de trabalho, exploração predatória do meio ambiente, desigualdades sociais. Da mesma forma, essa obra prima é delicada, sutil. Indicado para um público amplo! Contando as coisas por um olhar de pureza da infância, nos faz refletir sobre o nosso papel no mundo.

A produção está disponível no Disney+ e YouTube, possui uma hora e treze minutos, lançada em 2013.

“M-8 – Quando a Morte Socorre a Vida” e o Brasil República

Acesso em: 9 out. 2021.

O drama com tons sobrenaturais, discute sobre os locais reservados na sociedade para os pobres e negros. Em síntese, o longa discute sobre as religiões de matriz africana, as mulheres negras, os anseios e desafios da juventude negra. Qual o local dessas pessoas no mercado de trabalho? Utilizando de elementos de suspense, inova por usar de outra abordagem.

Tratando de temas delicados, possui a sensibilidade de falar sobre romance entre casais inter-raciais. Além disso, aborda o extermínio da juventude negra, racismo, ancestralidade, mercado de trabalho, favelas, preconceitos e medos da classe média. Disponível na Netflix, lançado em 2019, possui uma hora e vinte e quatro minutos de tela.

Por fim, confira o bônus:

6 – Filmes sobre as realidades indígenas. Produções presentes em “Vídeo nas Aldeias“;
7 – Aquarius;
8 – Bacurau;
9 – O Auto da Compadecida;
10 – Carandiru: O Filme;
11 – Casa Grande;
12 – Central do Brasil;
13 – Cidade de Deus
.
Se você gostou do texto, conhece algum filme que não está na lista, comenta aqui! Vamos valorizar essa área que gera empregos, lucro na nossa economia. Por fim, importante nicho do entretenimento que nos ajuda a perceber a nossa realidade para que possamos agir sobre ela! Significa conhecer o nosso povo e suas identidades. Que sejamos assim, “aves de rapina” ou o “pulo do gato”. Em síntese, cientes da realidade, entendendo o Brasil também por meio dos filmes enquanto uma “janela para o mundo”.
Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

O movimento anarquista

Próximo

Entenda a crise global dos contêineres