Ao longo do desenvolvimento da capacidade produtiva industrial, gestores e donos de companhias foram postos frente a desafios. Por isso, visavam soluções que vinculasse eficácia e produtividade.

Deste modo, o conceito de economia de escopo está associado à capacidade de redução do custo de produção, em situações onde uma variedade de produtos é produzido em conjunto.

Ou seja, quando a produção de dois itens diferentes por uma mesma firma se torna mais barata, do que esses mesmos itens produzidos por firmas distintas, é considerada a economia de escopo.

Matematicamente temos:

Economia de escopo

Onde:

  • C(Q1) é o custo da produção de Q1
  • C(Q2) é o custo da produção de Q2
  • C (Q1, Q2) é o custo da produção conjunto de ambos os itens

Portanto, neste caso, se o resultado desta equação for maior que 0, temos economia de escopo. Caso contrário, sendo menor que 0, é chamado deseconomia de escopo (quando não é vantajoso a produção conjunta).

Economia de Escopo

Em qual situação adotar a economia de escopo?

Especialmente, existem três situações na qual favorecem a aplicação do formato de produção desse modelo:

  • Primeiramente, quando houver a capacidade de uma flexibilização da produção, isto é, caso seja possível a utilização dos mesmos sistemas e insumos de fabricação, para mais de um produto.
  • Além disso, temos a diversificação relacionada, que ocorre quando uma empresa possui a capacidade de produzir um novo produto ou entrar num novo mercado relacionado com a sua atividade.
  • Do mesmo modo, a prática de fusões também é aplicada à economia de escopo, pois permite que uma empresa compartilhe despesas de pesquisa e desenvolvimento para reduzir custos.

Economia de escala x Economia de escopo

Ambos os conceitos são formas de produção que frequentemente são confundidos, contundo contam com o mesmo objetivo, a redução de custos.

Porém, possuem características distintas.

A de escopo atua no sentido de diminuir o custo médio do produto, através do uso de operações e insumos semelhantes, adotando uma variedade de bens.

Por outro lado, a economia de escala busca a redução do custo unitário médio, através do aumento da escala de produção de apenas um bem, especializando-se em sua produção.

Quais as vantagens da economia de escopo?

Como resultado, essa prática é vantajosa, pois permite às empresas ofertar uma gama maior de produtos, aumentando sua participação no mercado.

Ainda mais, pode servir para reduzir sua vulnerabilidade à escassez de fornecedores, sendo cada vez mais autônoma no processo produtivo.

E as desvantagens?

Em contrapartida, há cuidados a serem tomados antes de adotar este modelo. É preciso estar atento à complexidade de produzir diferentes itens, desenvolvendo tecnologias, a ponto de manter sua qualidade. Além de evitar a deseconomia de escopo.

Sendo assim, tanto economia de escopo, quanto a economia de escala, são importantes arranjos produtivos, que visam uma maior eficiência produtiva às companhias. Desta forma, cabe ao gestor analisar a melhor opção a ser aplicada.

📚💸 O Boletim Econômico é uma iniciativa de estudantes para estudantes. Por isso, se gostou do post, compartilhe com seus amigos e deixe-nos saber!