5 mulheres na economia que você deveria conhecer

Não é novidade que as mulheres ainda não têm tanta representação em certas áreas. E isso é bem visível quando falamos de mulheres na Economia. Por exemplo, de todos os economistas atuando no Brasil em 2018, apenas 26,8% eram mulheres.

Mas as mulheres vem ganhando cada vez mais espaço no mercado de trabalho, e na Academia também. E da mesma forma, isso se reflete na Economia.

Por isso, hoje nós separamos 5 mulheres de destaque na Economia que você talvez não conheça. Vamos lá!

Joan Robinson

Joan Robinson (1903-83) foi uma economista britânica nascida na Inglaterra. Ela se formou em economia na Universidade de Cambridge em 1925, e em seguida lecionou na universidade por quase 40 anos.

Por isso, ela foi a primeira mulher a se tornar ‘membro honorário’ do antigo King’s College em Nova Iorque, em 1979.

HET: Joan Robinson

Antes de mais nada, Joan é reconhecida pelo seu trabalho de avanço na teoria keynesiana. A sua obra principal, A Economia da Concorrência Imperfeita (1969), é tida como um marco do pensamento econômico moderno.

Assim, nos anos 30, ela teve uma extensa produção difundindo os trabalhos de Keynes. Além disso, Joan publicou vários livros e guias de introdução à economia, voltados para o grande público.

Mas, em seguida, ela passa a ir além do modelo keynesiano, e a incorporar noções marxistas na sua obra. Desse modo, a partir dos anos 50, ela toma uma visão mais à esquerda. Nessa época, Joan se dedica também a estudar os casos da China e da Coreia do Norte.

Vale dizer que ela morou na Índia nos anos 1920, e foi à China várias vezes. Assim, a preocupação com o desenvolvimento e com os problemas desses países é algo que sempre está na sua obra.

Elinor Ostrom

Nascida em Los Angeles, EUA, Elinor Ostrom (1933-2012) foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel de Economia, em 2009. Ela recebeu o prêmio junto de Oliver E. Williamson por seu trabalho conjunto sobre governança econômica e bens comuns.

Elinor Ostrom é a primeira mulher a receber o Nobel de Economia

Ostrom é a única da lista que não é economista. Doutora em Ciência Política pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), ela lecionou na Universidade de Indiana (IU) a partir de 1965.

A sua linha de pesquisa foca em como a relação entre as pessoas e os ecossistemas, por meio de arranjos institucionais, evoluiu com o tempo. Ainda mais, ela traz a questão da globalização ao foco, e busca entender como ela afeta esse processo.

Dentro disso, ela estudou como as pessoas se relacionam para gerir recursos comuns. Assim, ela negou a ‘tragédia dos comuns. Esse caso é um problema que diz que as pessoas, agindo em seu próprio interesse e com acesso ilimitado a um recurso comum, irão esgotar esse recurso e comprometer o interesse da comunidade.

Por outro lado, ela provou que os interesses de grupos podem ser até mais positivos à Economia e ao meio ambiente de que a ação do Estado ou do mercado, por exemplo.

  • Quer saber o que é a Teoria dos Jogos, e por que ela é importante na Economia? Leia mais sobre isso aqui.

Janet Yellen

Aos 75 anos, Janet Yallen é hoje a Secretária do Tesouro dos EUA do governo de Joe Biden. Assim, ela é a primeira mulher a ocupar esse posto, que existe desde 1789.

Mas ser a primeira em um cargo de destaque já não é novidade para ela. Yellen também foi a primeira mulher a presidir o Federal Reserve (FED), o sistema de bancos centrais dos EUA, entre 2014-2018.

Joe Biden to nominate Janet Yellen as Treasury Secretary

Para isso, ela é muito bem qualificada. Yellen é PhD pela Universidade de Yale, onde foi orientada por James Tobin e Joseph Stiglitz, ambos ganhadores do prêmio Nobel. E os dois disseram que ela foi uma das alunas mais notáveis com quem eles já trabalharam. De novo, ela era a única mulher na turma de mais de 20 pessoas.

Nos anos 70, ela foi professora em Harvard. Logo em seguida, foi chamada para compor o time de economistas do Conselho do FED.

De 78-80, ela lecionou na London School of Economics, e depois na Escola de Negócios da Universidade da Califórnia. Para mais, em 1997, ela foi assessora de Bill Clinton, ex-presidente dos EUA.

Esther Duflo

Esther Duflo nasceu em 1972 em Paris, na França. Ela estudou história e economia na École Normale Superieure, e depois concluiu seu doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT) em 1999. Então, ela continuou nos EUA e seguiu trabalhando no MIT.

Duflo foi a segunda mulher na história a ganhar o Nobel de Economia. Até agora, ela também é a pessoa mais jovem a ter recebido o prêmio, com apenas 46 anos.

Esther Duflo: Esther Duflo: Experimentos sociais para combater a pobreza |  TED Talk

E sobre isso, ela mesma se disse surpresa com a notícia: “Estou honrada. Para ser honesta, não achei que era possível ganhar o Nobel tão nova“.

O seu trabalho premiado trata de novas formas de tratar o tema da redução global da pobreza. Dentro disso, ela e seus colegas Abhijit Banerjee e Michael Kremer trazem uma divisão do problema em questões mais pontuais, que podem ser medidas e tratadas mais facilmente.

Assim, com dados desde os anos 1995, eles testaram novas formas de atuar nos temas de desempenho escolar e saúde infantil, entre outros.

Para mais, uma das suas principais obras, o livro ‘Repensar a Pobreza‘, ganhou o prêmio de livro de economia do ano pelo Financial Times/Goldman Sachs em 2011, e já foi traduzido para 17 línguas.

  • Quer saber o que a primeira onda do feminismo tem a ver com economia? O BE tem um post sobre isso, que você pode ler aqui.

Monica de Bolle

Por fim, temos uma brasileira! Monica de Bolle é carioca, e hoje tem 48 anos e vive em Washington, onde leciona na Johns Hopkins University (JHU).

Além do PhD em economia pela London School of Economics, ela também tem afinidade pela medicina, e vem fazendo especializações nessa área na Harvard Med School. Por isso, Monica diz que está montando um novo curso que traz uma junção de economia, ciência política, medicina e saúde pública.

Desde já, essa formação parece útil em especial por causa da pandemia do Covid-19.

Solução para a crise brasileira será amarga

Além disso, ela foi nomeada ‘Economista Homenageada’ pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB) em 2014, devido à sua contribuição para o debate de políticas no Brasil.

Antes de lecionar na JHU, ela foi professora de Macroeconomia na PUC-RJ. Também atuou no Instituto de Estudos de Política Econômica/Casa das Graças (IEPE/CdG), no RJ.

O que você achou do texto? Conhecia o trabalho dessas mulheres na economia? Comente sua opinião aqui embaixo!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Como o Talibã assumiu controle do Afeganistão?

Próximo

Entenda o que são riscos sistêmicos