Introduzindo: Adam Smith

Com certeza você já ouviu falar sobre Adam Smith, não é mesmo? Seja na escola, faculdade, trabalho ou até em reuniões de amigos.

Esse grande economista teve uma influência enorme em nossa história.

Além disso, era escritor e pensador, ou seja, contribuiu muito para o aprendizado de gerações à frente do seu tempo.

Assim, no texto de hoje, o BE vai introduzir a vida desse grande autor. Bem como, expor suas principais obras e legados. Desse modo, você, vai aprender um pouco mais sobre a vida do “pai do liberalismo”. Vem com a gente!

Quem foi Adam Smith

Adam Smith é visto como o criador da economia moderna. Além disso, é considerado um dos mais importantes teóricos do modelo liberal econômico.

Sua principal obra, A Riqueza das Nações, abordou temas básicos e cruciais para economia e o bem-estar das pessoas. Além disto, é referência para muitos nos dias de hoje.

Como resultado de sua obra, se obteve grandes avanços nas áreas da educação, ética, divisão do trabalho, evolução social e economia.

Estátua de Smith em frente a catedral
de St Giles’ em Edimburgo – Escócia.

Alguns conceitos criados por Adam Smith , como o valor do indivíduo e o que limita o papel do estado, se destacam e ainda são parte de estudos em nossa sociedade.

O sistema de Smith abrange uma gama de assuntos. Assim, se destacam temas pequenos (microeconômicos) e grandes (macroeconômicos). Em vista disso, ele também examinou situações de curto e longo prazo.

Em sua cidade natal havia pouca atividade econômica, ou seja, na região, funcionava apenas uma indústria de alfinetes. Assim, Smith, teve o primeiro contato com as formas de se produzir e organizar da época.

A biografia de Smith

Adam Smith nasceu no dia 16 de junho de 1723, na cidade de Kirkcaldy, na Escócia. Ele era filho do advogado Adam Smith e de Margaret Douglas, porém, seu pai já havia falecido seis meses antes.

Ele passou sua adolescência no colégio “Burgh School of Kirkcaldy”, com muito esforço e estudo nas áreas de matemática, latim, história e escrita. Logo depois, ele ingressou na Universidade de Glasgow e se formou aos 17 anos, em 1740.

Em seguida, conseguiu uma bolsa de estudos em Balliol College da Universidade de Oxford, que visava formar clérigos anglicanos. Passados seis na instituição, retornou, em 1746, à Escócia.

Adam Smith

Logo em seguida, por volta de 1748, ele inicia uma jornada de professor, dando cursos de ética e economia. Anos depois, foi nomeado professor de lógica em Glasgow e ministrou aulas de filosofia moral.

Adam é eleito em 1758 como reitor da universidade e nesse momento, se torna amigo do filósofo David Hume, que exerceu profunda influência sobre seu pensamento. Em 1759, Adam publicou uma de suas principais obras: “Teoria dos sentimentos morais”.

Em 1763, ele aceitou ser tutor do duque Duccleuch. Nessa época Smith viveu entre as cidades de Tolouse, Paris e Genebra. Dessa forma, ele conhece o iluminismo e no ano de 1767, ele divulga a sua maior obra literária: “A Riqueza das nações”

Suas principais obras

Teoria dos Sentimentos Morais (1759):

Nesse livro, Smith, procura indicar o porquê de nossas ações na esfera econômica. Com isso, explica a nossa constante busca no deseje de aumentar nossos salários, conforto e bem-estar.

Livro: Teoria dos sentimentos morais – Adam Smith
A riqueza das nações (1776):
Livro: A riqueza das nações – Adam Smith

riqueza das nações aborda a questão da divisão do trabalho, ou seja, toda a mudança que ocorreu em se adaptar às forças produtivas de trabalho. Logo, como isso causou impacto nas classes sociais.

Além disso, ela considera uma relação de causa entre o aumento na produtividade com um maior nível de especialização dos trabalhadores. Bem como, resultou em mais lucros para indústrias locais.

Por outro lado, o conceito da mão invisível de Smith, será utilizado para explicar as leis de mercado e o ajuste entre a oferta e procura. Segundo ele,

“O indivíduo, ao preferir dar apoio à indústria de seu país, mais do que à estrangeira, se propõe unicamente buscar sua própria segurança (…) em este como em muitos outros casos, uma mão invisível o leva a fomentar uma atividade que não entrava nos seus propósitos”.

Adam Smith

Desse modo, Adam Smith a utiliza para explicar que a “mão invisível” leva os seres humanos preferirem consumir produtos da indústria nacional e não da estrangeira.

Se você gostou do texto de hoje, compartilhe com seus amigos e deixe um comentário. Grande abraço do BE e um feliz natal a todos!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Impostos para a Pessoa Física