QUAD: Entenda a carta internacional de Biden contra os chineses

Há alguns meses, o BE falou sobre o RCEP, o novo maior bloco comercial do mundo. O RCEP foi, a princípio, um plano da China para cooperar com países da Ásia e da Oceania. Ainda mais: foi um “chumbo trocado” contra os EUA. Os primeiros capítulos dessa novela eu contei nesse texto aqui.

Desde então, as peças do tabuleiro de xadrez estavam bagunçadas. Grande parte disso graças às tensões alimentadas por Donald Trump em relação à China.

Desse modo, com as tensões escalando e a China investindo no RCEP, os EUA perderam um pouco de influência na região. No entanto, nessa semana (09/03) os Estados Unidos de Biden fizeram uma jogada.

No post de hoje, o BE te conta tudo sobre isso. Vamos lá?

QUAD: Novo foco de aliança dos EUA?

Nos próximos dias, o presidente americano Joe Biden deve ser encontrar com líderes de três países muito influentes na Ásia e Oceania: Austrália, Índia e Japão.

O encontro deverá acontecer virtualmente, por causa das restrições do coronavírus. Dessa forma, a expectativa é que os líderes dos quatro países discutam possíveis cooperações entre as nações, que já formam um grupo: o Quad.

Biden

Dessa forma, as futuras cooperações devem compreender várias áreas: economia, tecnologia e ciência, segurança… Mas principalmente, a produção de vacinas contra o coronavírus. Com isso, os EUA esperam retomar acordos e uma maior união com os países, que são essenciais para o cenário global atual.

Por que esses países são essenciais?

Austrália, Índia e Japão são países estáveis na Ásia e na Oceania, com economias promissoras e tecnologia de ponta. Ainda mais, a Índia, que possui tensões com a China, é um dos países emergentes de maior sucesso da última década.

Por isso, tê-los como aliados é importante para os Estados Unidos. Principalmente, porque todos eles são concorrentes da China.

Enquanto a Índia possui tensões militares com a China, o Japão compete em tecnologia e a Austrália em investimento externo. Com isso, em 2017, o Japão fundou o chamado “Quad”, um grupo contendo os quatro países, que deveriam cooperar e se ajudar.

Embora a Índia tenha relutado em aceitar, bem como a Austrália, os dois países se juntaram aos EUA e ao Japão após longos desgastes com a China.

What you need to know about the “Quad,” in charts

Agora, eles podem enfrentar Pequim na nova aliança acerca de vacinas contra a COVID-19. Assim, a tecnologia do Japão, a pesquisa da Índia e os investimentos da Austrália e dos EUA poderão cria uma enorme colaboração.

O que esperar da diplomacia de Joe Biden com o Quad?

Embora Joe Biden tenha uma posição bem mais conciliadora em relação à diplomacia que seu antecessor Donald Trump, alguns assuntos são de Estado, não de governo.

Isso significa, para nós das relações internacionais, que independente do líder à frente do país, o posicionamento sobre uma questão sempre deve ser muito parecido. Ao que parece, as relações com a China se tornam, cada vez mais, uma questão do Estado dos EUA.

Por isso, mesmo Biden sendo mais cooperativo e conciliador, sua postura diante de Pequim é robusta. A China, que já se tornou a maior potência comercial do mundo, está ameaçando os EUA em pesquisa, tecnologia, ciência, segurança e economia.

Desse modo, após a reunião do Quad ser anunciada, os chineses avisaram à Casa Branca que reformar o grupo poderia ser um “grave erro”, e que poderia desencadear um “severo confronto estratégico”.

Isso, porque a China encara os outros três países como potenciais fontes de estratégia. Desse modo, perdê-los para os EUA pode significar uma ameaça.

Ainda sim, o Quad espera, nos próximos meses, investir em uma produção em massa de vacinas. No futuro, essa aliança poderá se expandir para outras áreas.

Agora, é preciso esperar o próximo movimento da China nesse tabuleiro.

china

E você, o que pensa sobre esse embate entre os dois países? Deixe sua opinião nos comentários!

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Congelamento de preços: o que é e quais os efeitos na economia?

Próximo

O que é a autonomia do Banco Central?