Introduzindo: Karl Marx

Considerado uma das teorias mais importantes da modernidade, o marxismo foi um marco na história da humanidade. Além de ter contribuído em diversas áreas do conhecimento, ainda hoje, acrescenta muito para os debates atuais.

Assim, no texto de hoje, o BE vai te ajudar a entender sobre o marxismo e qual seu legado para o nosso tempo.

E ai? Ta interessado? Então vem com a gente!

O marxismo

O marxismo é um conjunto de teorias desenvolvidas pelos filósofos Karl Marx e Friedrich Engels durante o século 19. Embora a teoria carregue o nome de Marx, foi um trabalho em conjunto entre os dois autores.

A teoria se apresenta em diversas obras, como o livro “O capital“, “O manifesto comunista“, “Do socialismo utópico ao científico“, etc. Em suma, suas obras buscam discutir a dinâmica capitalista ao longo do tempo.

Dessa forma, o marxismo faz uma trajetória histórica, econômica e política dos modos de produção. Além disso, da ênfase em uma das questões centrais de sua teoria: A luta de classes.

Desse modo, o marxismo é uma crítica ao capitalismo e em seus dois pontos principais: o capital e a exploração.

Karl Marx, autor da teoria marxista.

Conceitos marxistas

Conceito marxista: Classe social e luta de classes

Alguns conceitos são importantes para se entender o marxismo. Entre eles: classe social e luta de classes, modo de produção e capital. É importante lembrar que aqui no BE, estamos fazendo um breve resumo de introdução. Logo, existem muitos outros conceitos e que, não são menos importantes por não estarem nessa lista. Portando, ao final do texto, deixaremos sugestões de leitura para quem quer aprofundar seus estudos em Marx.

Tendo isso em vista, “Vamos por partes”.

O conceito de classe social fundamenta todo o eixo da estrutura capitalista. Segundo o marxismo, classe social se divide em duas: o proletário e a burguesia.

O proletário é a classe que vende sua força de trabalho para sobreviver, enquanto que a burguesia é a classe que possui os meios de produção e compra a força de trabalho do proletário em troca de um salário. Aqui, introduzimos mais dois conceitos: Força de trabalho e meios de produção.

Força de trabalho é a soma de energia e tempo, na qual o proletário dispõe em troca de um salário para realizar uma tarefa. Por outro lado, meios de produção são as ferramentas, os instrumentos, o espaço, o material, a máquina, etc. que o burguês dispõe para a produção.

Tendo isso em mente, fica claro que há uma disputa de interesses de ambos os lados. Essa disputa de interesses entre a classe burguesa e a classe operária resulta na luta de classes. Do ponto de vista marxista, o proletário reivindica tudo que é seu por direito: o produto, os meios de produção e sua dignidade. Por outro lado, a burguesia busca alcançar seu enriquecimento por meio da exploração da classe proletária.

Esse embate entre as duas classes é a tese principal do marxismo que, amplia a sua concepção na medida que avança sua teoria.

Conceito marxista: Modo de produção e capital

Modo de produção é como a sociedade, a política e a economia se relacionam. Essas relações, dependem da produção, do seu fluxo e de seu acesso pelas classes sociais. Nesse sentido, Marx divide a história em alguns modos de produção, entre eles o feudalismo e o capitalismo.

Dessa maneira, o marxismo analisa a organização e relação entre economia, política e sociedade ao longo do tempo.

O ponto chave da teoria marxista é a crítica ao capital. Capital é um conceito complexo que foi trabalhado ao longo de toda a vida dos autores. Portanto, é difícil definir como uma coisa só. Apesar disso, a grosso modo, capital é um bem que pertence apenas aos capitalistas e que, visa sempre o lucro. Mais do que um objeto, capital representa quase que uma força viva, que dita as relações sociais, as relações de poder e autoridade.

Calma, vamos com “um passo de cada vez”.

Fica fácil da gente entender da seguinte maneira: Capital precisa de se reproduzir, ou seja, manter o sistema em ciclo, na qual o burguês explora o proletário visando lucro. Esse lucro é transformado em capital a partir do momento em que esse lucro volta a ser investido para se alcançar ainda mais lucro, e assim, sucessivamente.

Ou seja, o capital é o responsável pela manutenção desse sistema que tira dos proletários e dá lucro para os burgueses.

Então quer dizer que capital vai além de dinheiro, de riqueza ou status? Sim, capital utiliza dos “meios” para se alcançar um “fim”. Esse meio é o proletário, e o fim é o lucro, que segundo Marx, é a mais-valia.

Conceito marxista: A mais-valia

A mais-valia é, por alto, a transformação da exploração do proletário em lucro.

Mas, como acontece a transformação da exploração em lucro? Bom, é bem simples de entender.

Então, imaginemos a seguinte situação em uma fábrica de calçados.

Nessa fábrica de sapatos, existem 50 proletários, que trabalham na confecção do tênis e o burguês, que é dono das máquinas, da fábrica e do galpão. Suponhamos ainda, que o salário mínimo desses trabalhadores seja de R$1.200,00.

Vamos supor que o valor de cada par de tênis seja R$100,00 e que, em 1 mês, são produzidos 5.000 sapatos.

Com isso, temos que cada trabalhador produz por cada 4 semanas(20 dias de trabalho, excluindo sábados e domingos), 100 sapatos, ou seja (R$100,00 x 100) R$10.000. Se seu salário é de R$1.200,00, isso quer dizer que R$8.800,00 foram para o burguês. Dessa maneira, o trabalhador trabalhando por 12 dias, produz o valor equivalente ao seu salário. Isso quer dizer que os 8 dias restantes, o trabalhador trabalhou sem receber e ainda contribuiu sem participar do lucro do capitalista.

Esse valor na qual o proletário contribuiu para o lucro do capitalista é a mais valia e fruto da exploração de classe.

A mais valia, na qual parte da exploração do trabalho se transforma em lucro.

A crítica marxista

A crítica marxista analisa e investiga por meio do resgate histórico, a estrutura das sociedades. A partir disso, o marxismo criou bases para os estudos econômicos e políticos no mundo.

Além disso, foi fundamental para a consolidação das ciências humanas e até hoje é uma teoria importante para o debate corrente.

Com uma mensagem sempre atual, o marxismo incorpora a história, a sociologia, a psicologia, a linguística, a filosofia e muitas outras áreas. Não tem como negar a sua contribuição para a sociedade contemporânea.

Dessa maneira, estudar o marxismo vai além de discutir uma teoria, significa, na verdade, compreender a dinâmica da realidade na qual vivemos.

  • Saiba mais sobre economia aqui:

Clássicos marxistas

Embora o BE tenha feito esse resumo prático e bem introdutório sobre o marxismo, é importante lembrar que muita coisa foi deixada de lado.

Para não deixarmos a desejar e fechar com chave de ouro, recomendaremos alguns clássicos marxistas aos interessados de plantão.

Existe uma lista criada para orientar quem pretende iniciar seus estudos ou para quem deseja aprofunda-los. Essa lista é de William Weinstone.

Todavia, recomendo essas leituras:

Outros autores também são interessantes como Gramsci, Eric Hobsbawm e Slavoj Žižek, que tratam do marxismo na contemporaneidade. Existem também, autores brasileiros que valem a pena, como Rosa Luxemburgo, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior.

Por fim, recomendo também um poema muito interessante do Vinicius de Moraes, que chama operário em construção.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Consumo consciente e impactos econômicos

Próximo

05 Jogos com simulações complexas de economia