No dia 13 de agosto de 2020, foi anunciada a assinatura de um acordo histórico de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos que envolve o polêmico território da Cisjordânia

O conflito mundialmente conhecido agora é marcado pelo terceiro tratado de paz árabe-israelense desde a declaração de independência de Israel em 1948.

Sendo assim, o post trará uma visão geral do contexto entre os dois países, as resoluções do acordo, a mediação dos EUA neste, bem como as consequências para a instável região do Oriente Médio

Continue lendo que explicaremos para você. 

Israel e Emirados Árabes Unidos anunciam acordo histórico para normalizar  relações - Renascença

Israel e Palestina: o conflito

O conflito entre Israel e a Palestina, que perdura há 1 século, é extremamente complexo e cheio de variáveis

Durante anos, este não apenas tem afetado as duas nações, mas tem sido responsável, em grande parte, pela frágil geopolítica do Oriente Médio. 

Desse modo, antes de falar do acordo, é necessário entender esse conflito. 

Contexto histórico

Sendo assim, no início do século 19, o mundo vivenciava a difusão do sionismo, movimento nacionalista para criação do Estado judeu.

Israel e Palestina: se essa história fosse minha… | Diplomacia Civil

Diante disso, os judeus buscavam uma região para criação de seu Estado, culminando na escolha do território, já ocupado, da palestina, o que provocou uma forte tensão entre as duas comunidades.

Dessa maneira, em 1947, foi aprovado o plano de partilha da ONU que previa a criação dos dois Estados. Os judeus aceitaram, mas os palestinos não, e assim, esse plano nunca foi concretizado. 

Em seguida, foi criado o Estado de Israel em 1948 com a seguinte conformação:

  • Israel ocupou Jerusalém ocidental;
  • Jordânia, a Cisjordânia 
  • Egito, a Faixa de Gaza.  

Paralelo a isso, os palestinos, pertencentes à etnia árabe, eram desalojados. Hoje em dia, esse número se encontra em 5 milhões de pessoas

Conflito Israel e Palestina - Toda Matéria

Após guerras e conflitos, a configuração da palestina foi alterada várias vezes, e, atualmente, a Faixa de Gaza e a Cisjordânia são administradas pelos palestinos, mas continuam a ter presença militar israelense. 

Os assentamentos 

Israel aprova megaprojeto de assentamentos ilegais – Monitor do Oriente

Entretanto, nesse período, Israel construiu diversos assentamentos para os judeus no território palestino da Cisjordânia, bem como ergueu um muro ao redor destes. 

Você sabia que a maioria da comunidade internacional considera ilegal essa ação de Israel?

Ademais, a cidade internacional de Jerusalém causa tensão para ambas as comunidades, por se tratar de um lugar importante para judeus, cristãos e muçulmanos. 

O acordo histórico 

Desse modo, é em meio às tensões entre Árabes e Israelenses que acontece o inédito acordo Israel-Emirados Árabes Unidos, mediado e anunciado em primeira mão pelos EUA.

Além do mais, é importante lembrar que essa ação norte americana tem sido vista como uma jogada eleitoral de Trump na busca pela reeleição. 

China e Rússia se juntam contra o dólar. Leia aqui. 

Por meio do tratado, o premier israelense, Benjamin Netanyahu, afirma que renuncia, pelo menos temporariamente, de sua promessa eleitoral de anexação definitiva de algumas partes da Cisjordânia.

Você sabia que esse território é ocupado por forças militares israelenses desde 1967?

Somado a isso, ainda é previsto reuniões das delegações dos países para criação de novas embaixadas, bem como para assinar acordos bilaterais sobre:

  • Cultura;
  • Energia;
  • Meio ambiente;
  • Saúde;
  • Segurança;
  • Telecomunicações;
  • Turismo
  • Voos diretos entre Abu Dhabi e Tel-Aviv (capitais dos países). 

De um lado, Israel espera se aproximar e promover acordos semelhantes com outras nações árabes, como, Sudão, Omã e Bahrein. 

Dessa maneira, é importante lembrar que este é apenas o terceiro tratado de paz árabe-israelense desde a criação do Estado judeu, precedido pelo acordo com o Egito (1979) e com a Jordânia (1994). 

Por outro lado, os Emirados Árabes Unidos (EAU) têm a chance de se promover como polo turístico e centro financeiro global por meio do aumento da sua influência.

Você sabia que os Emirados Árabes são formados por 7 emirados administrados por 7 emires (príncipes)? Todavia, há um presidente do conselho do Estado, que é o monarca de Abu Dhabi, a capital. 

Reações ao Acordo 

A declaração conjunta do presidente norte-americano, Donald Trump, do premier israelense, Benjamin Netanyahu, e o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed bin Zayed afirma a busca pela paz. Todavia, as reações a esse acordo histórico são bem diferentes. 

Islamismo: porquê é tão distinto em diferentes países? | Análise | ihodl.com

Assim, países como França, Brasil, EUA, Egito, além do Reino Unido acreditam que esse acontecimento pode ser o caminho para a prosperidade na região, e esperança para uma melhor relação entre israelenses e palestinos. 

Em contrapartida, Hamas (movimento islamita palestino que administra a Faixa de Gaza), Turquia e Irã (de maioria xiita, e maior inimigo de Israel), afirmam que o posicionamento dos EAU é uma traição e negligência à causa palestina. 

Quer entender mais? Assista esse vídeo descrevendo o conflito em 10 minutos. 

Quais serão as repercussões e como será a reformulação das alianças no Oriente Médio? Deixe sua opinião nos comentários.