O Brasil já passou por dois impeachments em menos de de 30 anos, e pelo que tudo indica, ele pode passar pelo terceiro ainda dentro desse prazo.

Mas, o que isso traz de malefícios para a economia brasileira?

No post de hoje iremos te mostrar o que leva um presidente a ser impichado e como isso pode trazer de malefícios para a economia.

Ficou interessado? Vem comigo que eu te mostro.

O histórico do país

Antes de mais nada, o Brasil é um país que parece não gostar de estabilidade política. Desde a proclamação da República em 1889 (que já não foi estável) o país passa por várias instabilidades no ponto político.

Em 131 anos de República, o Brasil já passou por duas ditaduras e por quatro processos de impeachments, além de quase ter uma guerra civil na ditadura Vargas e teve atos de terrorismo na ditadura militar.

Porém, iremos focar nesse post o período pós-redemocratização, em que houve dois impeachments, de Fernando Collor em 1992 e de Dilma Rousseff em 2016.

O que levou esses dois presidentes a serem impichados?

De 132 pedidos de impeachment desde Collor, ação contra Dilma é 2ª ...

• Veja também: Coronabonds serão a alternativa econômica da crise?

Os crimes de responsabilidade

Primeiramente, para um chefe do executivo ser impichado ele deve cometer um crime de responsabilidade.

A lista de crimes de responsabilidade na Constituição é muito grande, para saber quais são, clique aqui.

Fernando Collor usou sua campanha para pedir dinheiro de grandes empresas e em troca ofereceu benefícios durante seu cargo na presidência, além disso, usou cheques fantasmas para pagar um carro e uma reforma.

Já Dilma Rousseff foi acusada de dois crimes de responsabilidade, as pedaladas fiscais, que é o atraso de repasse de dinheiro da União para os bancos públicos para cobrir gastos do governo, além disso, editou decretos de créditos complementares sem autorização do Congresso Nacional.

Por outro lado, Jair Bolsonaro está sendo acusado de cometer crime de responsabilidade após as denúncias do ex-ministro Sérgio Moro. De acordo com a denúncia, o atual presidente estaria usando seu poder para interferir nas investigações do polícia federal.

Impeachment: As frases cruciais de Dilma no Senado | Brasil | EL ...

• Veja também: Como investir em Fundos Multimercados

Os impactos econômicos do impeachment

Antes de mais nada, temos que entender que o cenário de um impeachment, por mais que seja legítimo, traz instabilidade para o país.

Vamos nos colocar na pele de um investidor estrangeiro que queira colocar seu dinheiro no país. Quando ele vê uma situação de impeachment, ele terá receio de injetar recursos no Brasil. Mas, porque isso?

Quando um presidente é destituído, o seu vice assume o cargo. Com isso, virá novas estratégias políticas, novos ministros, não sabe o nível de apoio popular, entre outros.

Imagina que se quem entrasse em um dos lugares de presidente fosse uma pessoa que criasse 1 milhão de impostos e isso interferisse diretamente no dinheiro das pessoas que estão investindo de fora.

Dessa forma, diante desse cenário de incertezas, muitas pessoas preferem não investir o seu capital no país durante um processo de impeachment.

confused question mark GIF by Preity G  Zinta

• Veja também: Como a Havaianas se tornou referência mundial?

Por outro lado, o Congresso Nacional quase para em um processo desses, pois ele é extremamente complexo. O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha abriu o processo de Dilma Rousseff em 2 de dezembro de 2015 e ela só perdeu seu cargo em 31 de Agosto de 2016.

Dessa maneira, o Congresso não consegue focar em projetos para o país que seriam benéficos para a população e isso pode causar um impacto econômico negativo para o país.

Porém, como cidadãos temos que ter em mente que um processo desse deve ser feito quando o presidente comete um crime de responsabilidade, pois é isto que está escrito na Constituição e devemos segui-la.

Por isso, por mais que crie um cenário de incertezas, por mais que podemos sofrer algumas consequências econômicas, o processo de impeachment deve ser respeitado.

E você, gostou do texto? Compartilhe com seus amigos.