Entenda a crise global dos contêineres

Talvez você não saiba, mas nesse momento estamos vivendo a chamada crise dos contêineres, uma das maiores crises no transporte marítimo da história. E isso afeta você.

A grande questão é que 80% de todo consumo no mundo depende do tráfego por águas internacionais.

Ou seja, essa crise se reflete de forma direta sobre o preços de 80% dos produtos ao redor do planeta. E, como bem sabemos, os preços voltaram a ser um problema no Brasil, agora que já acumulamos 10,25% de inflação no ano.

Vem com a gente entender apenas um dos diversos motivos para tudo estar tão caro!

A Crise

Uma crise como essas nunca decorre de um único fator ou motivo, mas sim da junção vários deles. Porém os impactos da atual crise resulta de forma imediata no aumento da escassez de vários produtos, e como efeito disso temos o aumento dos preços.

Dessa forma, é importante analisar alguns desses fatores para entender o momento pelo qual estamos passando, e porque isso é ainda mais sério quando falamos do Brasil.

Escassez de Contêineres

Nesse sentido o primeiro fator que nos leva a atual crise está na escassez de contêineres. Essa falta resulta em menos cargas movidas entre a Ásia e a Europa e, devido a isso um aumento massivo nos valores desses fretes.

Contudo, é bom lembrar que essa escassez não se dá pela falta desses de contêineres, mas sim na forma como estão hoje alocados pelo mundo. Várias empresas de transporte hoje esperam até semanas para ter acesso a contêineres para mover suas cargas.

Além disso navios chineses que carregam centenas de milhares de contêineres saíram da China e deixaram suas cargas na Europa e Américas, mas não puderam retornar cheios devido as restrições impostas durante a pandemia.

Dessa forma o sistema de reposição de contêineres ficou além do que é capaz de suportar, gerando essa escassez, em meio a todos os equipamentos preso em portos.

Impactos

Devido a problemas de escassez dos contêineres, muitos países passam a ter problemas para atender as demandas de consumo do sua economia.

Por exemplo, um morador dos Estados Unidos hoje, tem problemas para para adquirir uma série de produtos advindos das importações, como carros ou móveis, que os leva em vários casos a listas de espera que podem durar meses.

Por sua vez, o Brasil sofre esse impacto no mercado de carnes. Segundo a Confederação Nacional das Indústrias, a CNI, 70% dessa fatia do mercado se sente afetada pela escassez desse equipamento.

Saudades

Inclusive, esse fator também se soma, para o aumento no preço das carnes que hoje vemos quando vamos ao mercado.

Problemas de Fluxo

Além de todo o problema de escassez como falamos a pouco, o ano de 2021 foi atípico, a temporada de tufões no pacífico bloqueou diversos portos chineses e isso agravou o cenário. Somado a isso temos também o fato de que muitos portos não operaram devido a pandemia e suas restrições.

Ainda mais, a China possui 8 dos portos com maior atividade no mundo, e essas restrições obrigam os portos a operar abaixo do normal, reduzindo o fluxo de produtos dentro dos mercados.

Trânsito de Navios

Por exemplo, esses problemas apontados acima levam a um efeito colateral grave, o trânsito de navios. Centenas de navios formam filas nos portos chineses a espera de uma janela de operação.

Devido a isso, diversos portos ao redor do mundo geraram gargalos como mostra a imagem abaixo:

Tráfego marítimo em tempo real

Nesse meio tempo as empresas que, para superar a crise e esses gargalos, alugam navios próprios para mover suas cargas, aumentam ainda mais o tráfego o que e impacta na fluidez das atividades dos portos, como vemos nos pontos vermelhos na imagem acima.

Produção Chinesa

Além de todos os fatores já citados temos um em especial que precisa ser visto, a China diminuiu bastante seu volume de produção. Essa efeito se dá pelo rígido controle do país para evitar novas ondas de contágio.

Ou seja, sempre que os números de contágio aumentam em alguma região as diversas medidas de combate fazem com que a produção caia, e isso não se resume apenas a China, mas também em vários outros países exportadores como índia e Vietnã.

Assim, como rege a lei da oferta e da demanda, sempre que um desses polos produtores para de operar, isso gera escassez e atrasos nas entregas em todo o mundo. Isso nos trás de volta ao nosso argumento inicial do aumento dos preços devido a escassez.

Efeitos nos Brasil

Como sabemos, nosso país já enfrenta sérios problemas internos como uma alta taxa de inflação. Apesar de muitos dos fatores que levam a crise serem fruto de más decisões políticas, a crise dos contêineres nos afeta em cheio.

Para efeitos de comparação o custo do frente entre Xangai e a América do Sul, antes da pandemia, girava em torno de dois mil dólares. Hoje, segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), custa mais de sete mil dólares, ou seja ele mais que triplicou de valor. No Brasil esse valor atinge a casa dos dez mil dólares devido a queda na cotação do real.

Aliado a isso ainda podemos notar que muitas empresas optaram por manter baixos estoque com vias de reduzir prejuízos durante a pandemia. Agora com a retomada da economia elas vão levar tempo até recuperar os níveis de estoque a ponto de suprir a demanda atual. Em muitos casos essas empresas são de tecnologia ou de alto valor agregado, essenciais na montagem de carros, computadores ou celulares por exemplo.

Então, como vimos esse é um fator externo porém que também pesa no efeito de aumento dos preços pelo qual estamos passando. O que achou da matéria? Conta pra gente nos comentários!

Até a próxima!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

5 filmes para entender o Brasil

Próximo

O que é necessário para criar um partido?