Introdução às Criptomoedas

Nos dias de hoje, as criptomoedas, são temas de muitos noticiários. Dessa forma, ela é vista como um símbolo do futuro das finanças e, também, como um meio de especular.

A questão, portanto, é que tanto o bitcoin quanto as outras criptomoedas, ganharam muita fama nos últimos meses. E isso, se deve ao fato de que há chances de altos retornos financeiros e muita liquidez nesse mercado.

Antes mesmo que você comece a separar seu dinheiro para comprar uma delas. O BE vai introduzir, no texto de hoje, algumas razões de tanto destaque e desejo de se obter as criptos.

Assim, vai saber um pouco mais do mundo no qual você esta entrando. Vem com a gente!

Princípios básicos

As criptomoedas são ativos que possuem valor como qualquer outro. Ou seja, moedas como o real, euro ou dólar. Porém, só circulam em ambientes virtuais.

Hoje em dia, existem cerca de três mil moedas digitais e cada uma possui um fim que se difere das outras. Mas, todas têm um objetivo único.

O motivo se baseia em melhorar a eficiência na troca dos ativos e fortificar a segurança dos mesmos. Além disso, democratizar a distribuição e produção de dinheiro no mundo.

No Brasil, elas ainda são tidas como bens (casa, carro, entre outros). Por isso, é cobrado impostos. Bem como, o IRPF – Imposto de Renda de Pessoa Física.

Como investir em criptomoedas

Igualmente a outro ativo que se deseja investir na bolsa, as criptomoedas também possuem um meio de ligar as pessoas que querem vender, com as que desejam comprar.

Porém, de forma análoga a nossa bolsa de valores – B3, em que é preciso de um banco de investimento ou uma corretora de valores para realizar as negociações. No mundo virtual, as Exchanges que tomam conta do cenário.

O que é uma exchange?

A princípio, vale dizer que elas não são ilegais. Porém, em nosso país, elas não detêm as supervisões do Banco central e nem da CVM – Comissão de Valores Mobiliários.

As exchanges são utilizadas para intermediar as relações de troca, venda, compra e até mesmo, guardar os ativos digitais. Assim como, Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Cardano (ADA), entre outras.

Vale ressaltar que criptoativos rodam em blockchains. Isso as tornam imutáveis, logo, não podem ser copiadas e nem hackeadas.

Para se integrar mais sobre blockchain, não deixe de ler nossa recente matéria publicada no site do BE. Clique aqui e confira.

Como funcionam?

Elas funcionam como uma bolsa de valores independente. Dessa forma, é a própria lei da oferta e procura que refletem nos preços de cada uma delas.

De antemão, os valores entre as exchanges não se diferem muito. Eles possuem uma média geral bem estável, mas em algumas ocasiões, superam os 3% de diferença.

As exchanges funcionam 24hrs por dia e sete dias por semana, com isso, captam pessoas de todas as partes do mundo para negociar seus ativos. Levando ao hábito do “Day trade”.

Em suma, para começar a investir de verdade, você precisa criar uma conta (em geral é gratuito) em alguma exchange e transferir a quantia que deseja. Em seguida, pagar as taxas e analisar em qual cripto alocar seu capital.

Principais Criptomoedas

Os ativos digitais, segundo analistas, ganham mais destaque de crescimento em curto prazo.

Ou seja, dentre todos os ativos que estão sendo analisados e em breve, serão especulados pelo mercado, as criptomoedas são cada vez mais o foco das atenções. Trazendo com ela, muitas projeções da sua cotação para curto e médio prazo.

Confira a lista elaborada pelo BE com uma das principais criptos que estão disponíveis no mercado hoje em dia. Além disso, conheça também, as características de cada uma.

Bitcoin:

Provavelmente você já ouviu falar sobre ela, não é mesmo? Em síntese, essa moeda tem o objetivo de funcionar, sem uma instituição financeira, como um banco, para intermediar a troca de dinheiro entre duas pessoas.

Ela é a mais valorizada do mundo. Bem como, a que possui maior volume de movimentações mensais. Não raro, que seu preço, hoje (14/12), é de R$: 272,285.74 reais.

Valorização de mais de 100% no primeiro trimestre de 2021:

Fonte: BINANCE

Igualmente ao ouro, um dos grandes motivos que a torna tão prezada, é a sua escassez. Em algum momento, no futuro, o BTC não vai poder ser minerado. Logo, torna o ativo financeiro mais raro e sujeito à valorização, conforme a demanda por ele aumenta.

Ethereum:

Ethereum é uma plataforma que permite a programação de aplicativos descentralizados, contratos inteligentes e transações da criptomoeda Ether.

Países como Canadá está usando a rede para dar mais transparência para suas instituições. Além disso, dezenas de grandes empresas fazem parte da Enterprise Ethereum Alliance, uma comunidade de empresas que apoiam a tecnologia, como Microsoft, Itaú e AMD.

O Ethereum desde então, se tornou a criptomoeda com a segunda maior capitalização do mercado, atrás apenas do Bitcoin. E, seu valor atual (14/12), é de R$: 21,856.88 reais.

Chiliz:

Esse ativo tem como princípio, descentralizar e “tokenizar” o mercado de esporte. Com isso, se cria autonomia e liberdade por parte dos integrantes.

Logo, não existe taxas e não há dependência de órgãos financeiros ou bancários. Ao mesmo tempo, a moeda, vai trocar os dados reais por outros equivalentes, com mesmo formato e protegidos por uma chave de criptografia

Axie Infinity:

É um jogo que usa NFTs no esquema “play to earn”. Dessa forma, jogadores recebem recompensas em tokens, que podem ser negociadas em exchanges.

Jogo virtual Axie Infinity

Bem como, o token nativo da plataforma (AXS), outro token dentro do universo do jogo também contribuiu para o seu sucesso. O chamado Small Love Potion (SLP). Tanto o AXS quanto o SLP tiveram uma valorização expressiva no primeiro semestre de 2021.

Polkadot

Polkadot conhecida como DOT, se consiste em um modelo fragmentado que facilita as transferências de cadeia cruzada não apenas de tokens, mas de quaisquer dados ou tipos de ativos, tornando assim uma ampla gama de blockchains compatíveis entre si.

Fonte: www.dreamstime.com

De modo geral, essa moeda busca integrar e conectar diferentes blockchains em um único lugar.

Assim, é possível que um sistema consiga se comunicar com outro.

Então, eu fico por aqui! Deixe sua opinião e envie para os amigos!

Obrigado! Nos vemos em breve…

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

O mercado da Fórmula 1

Próximo

A história do PCB