Conheça as 5 séries mais caras já produzidas

Não é segredo para ninguém que a indústria do entretenimento movimenta muito dinheiro anualmente. E muito menos que o surgimento dos serviços de streaming fez o consumo de séries aumentar. Por isso, não é incomum ver produções bilionárias nos catálogos desses serviços.

No artigo de hoje do Boletim Econômico, falaremos quais são as cinco séries mais caras já produzidas. Assim como os valores de sua produção, e o porquê de serem tão caras. Antes de mais nada, o critério usado será o valor pago por episódio.

Então, vamos lá?

5. Band of Brothers (HBO)

Cena da minissérie “Band of Brothers” (2001).

Lançada pela HBO em 2001, a série Band of Brothers, ou Irmãos de Guerra, teve um orçamento de USD 12,5 milhões por episódio. Vencedora de seis Emmy e um Globo de Ouro, a minissérie de 10 episódios acompanha a Companhia E do 2º Batalhão do 506º Regimento de Infantaria Paraquedista da 101ª Divisão Aerotransportada do Exército dos Estados Unidos durante a II Guerra Mundial.

A Companhia E participou da Invasão da Normandia pelos Aliados em 6 de julho de 1944, também conhecido como Dia D.

A série foi inspirada no livro com o mesmo título de Stephen E. Ambrose (1936-2002), que reuniu as informações sobre a Companhia E através de pesquisas e entrevistas com os veteranos que participaram dela. Contudo, apesar da licença literária, todos personagens de destaque realmente existiram e participaram da Companhia.

A série foi produzida por grandes nomes de Hollywood como Tom Hanks e Steven Spielberg. Como resultado, a HBO apostou várias fichas na produção. Por isso, grande parte do orçamento foi destinada à produção da série, gravada em Hertfordshire, no sul da Inglaterra, que contou com a construção de réplicas de diferentes cidades europeias. Além disso, as preocupações com precisão histórica também contribuíram para esse valor.

Fora os custos de USD 125 milhões para produção da série, também foram desembolsados USD 15 milhões para sua promoção.

4. ER (NBC) e The Crown (Netflix)

Empatadas em quarto lugar, temos as séries ER (1994-2009) produzida pela Warner Bros. Television, Amblin Company e Constant c. Productions; e The Crown (2016-) produzida pela Left Bank Pictures e Sony Pictures Television. Ambas as séries têm um custo médio de USD 13 milhões por episódio.

ER

Emergency Room, ou simplesmente ER, foi uma série criada por Michael Crichton que acompanhava a vida dos médicos e enfermeiros da sala de emergência do Chicago’s County General Hospital.

A série teve um total de 15 temporadas, e venceu um total de 23 dos 124 prêmios Emmy dos quais foi indicada. E apesar de ter começado com um orçamento modesto, foi a sua durabilidade que o fez crescer com o tempo. Mas o principal fator desse aumento foi para manter o elenco, em especial George Clooney.

The Crown

Rainha Elizabeth II (Clare Foy) e Winston Churchill (John Lithgow) em imagem promocional da série The Crown.

Criada por Peter Morgan, The Crown é a produção original mais cara da Netflix. Além disso, ela ainda conta com o tema de abertura composto por Hans Zimmer, um dos maiores compositores de trilhas sonoras da atualidade.

A série começa ainda na década de 1950 e tem a proposta ousada de cobrir todo o reinado da Rainha Elizabeth II, atual monarca do Reino Unido. Assim como os principais eventos pessoais e políticos que moldaram e moldam a família real até hoje. Contudo, vale lembrar que não é uma série que se propõe a ser uma biografia fiel da vida da rainha, contando com licença poética sobre os acontecimentos.

Mas além da rainha e da família real, outras figuras históricas importantes aparecem na série. Tais como Winston Churchill e Margareth Thatcher, ex-primeiros-ministros do Reino Unido, assim como JFK e sua esposa Jackie Kennedy, ex-presidente e ex-primeira dama dos EUA, respectivamente.

Por fim, grande parte do orçamento da série é dedicado a reprodução de réplicas dos cenários e artefatos históricos usados na gravação. Por exemplo, a réplica do vestido que Clare Foy usa na primeira temporada, na cena do casamento entre Elizabeth e Phillip (Matt Smith), custou cerca de USD 37 mil.

Além disso, os custos com o elenco também são consideráveis, uma vez que o elenco conta com vários grandes nomes da indústria atual.

Ao menos os grandes investimentos têm dado retorno, uma vez que a série é bastante aclamada pela crítica. Tendo vencido 135 prêmios, dentre eles, 21 prêmios Emmy.

3. The Morning Show e See (Apple TV+), The Mandalorian (Disney+), Game of Thrones (HBO)

Já no terceiro lugar, temos outro empate, desta vez entre duas séries da Apple TV+, The Morning Show (2019-) e See (2019), uma do Disney+, The Mandalorian (2019-), e a última temporada de Game of Thrones (2011-2019), da HBO. Todas com orçamento de USD 15 milhões por episódio.

The Morning Show (Apple TV+)

Jennifer Anniston e Steve Carell em ‘The Morning Show’.

Vencedora de 1 Emmy, a série de Jay Carson e Kerry Ehrin acompanha as tramas da vida de um grupo de apresentadores do programa matinal que leva o mesmo nome da série. A série foi baseada no livro Top of the Morning: Inside the Cutthroat World of Morning TV” , de Brian Steller.

Sendo assim, a série tem uma premissa simples, e diferente da maioria dos demais títulos da lista, não gasta muito com a produção de cenários e efeitos especiais. Mas, mesmo assim, os gastos por episódios são milionários.

Contudo, seu elenco de renome que tem como protagonistas Jennifer Anniston e Reese Witherspoon, além da participação do ator Steve Carell, faz com que seu orçamento seja tão elevado. Por isso, é estimado que cada uma das protagonistas recebam em média USD 2 milhões por episódio.

See (Apple TV+)

Jason Mamoa em “See”.

Assim como “Morning Show”, “See” também é uma série do serviço de streaming da Apple, todavia se passa em uma distopia no futuro distante. Neste cenário, aquilo que resta da humanidade após um vírus mortal perdeu a visão, e aqueles poucos que nascem com esse sentido são caçados na sociedade comandada pela Rainha Kane (Sylvia Hoeks).

Ao contrário do esperado, apesar de se situar no futuro, a série mostra uma sociedade organizada em tribos, que retrocedeu em termos tecnológicos em relação aos dias de hoje.

Apesar da série contar com nomes como Jason Momoa no elenco, a maior parte do orçamento é sobretudo para os custos de produção, especialmente por se tratar de uma série que utiliza de CGI (Imagens Geradas por Computador) em diversas instâncias.

The Mandalorian (Disney+)

Din Djarin (Pedro Pascal) e o ‘Baby Yoda’ em The Mandalorian.

Criada por Jon Favreau e vencedora de 14 prêmios Emmy, “The Mandalorian” é uma série do universo expandido da famosa saga do cinema Star Wars, de George Lucas. A série é situada na Nova República, alguns anos depois da morte de Darth Vader e dos demais acontecimentos do episódio IV da saga, “O Retorno de Jedi”.

Contudo, a série não tem como foco os membros da família Skywalker, mas sim conta a história de um caçador de recompensas mandaloriano que atua na Orla Exterior da Galáxia. Por isso, é uma chamada de um “faroeste espacial”.

Então, a aventura começa quando ele conhece ‘A Criança’ (também conhecida como ‘Baby Yoda’) e decide protege-la ao invés de simplesmente entrega-la e receber sua recompensa.

Sendo assim, como podemos imaginar para uma série do universo de Star Wars, a maior parte do orçamento da série é direcionado aos efeitos visuais de ponta e CGI, além da dos figurinos e alguns detalhes importantes. Dentre eles o boneco usado para fazer o ‘Baby Yoda’, uma vez que este custa aproximadamente USD 2 milhões.

Game of Thrones (HBO)

Kit Harington e Emilia Clark em ‘Game of Thrones’.

Caso alguém ainda não saiba a essa altura, a série “Game of Thrones” se passa na distante e fictícia terra de Westeros, onde nove famílias disputam entre si pelo controle político deste local. Criada por David Benioff e D.B. Weiss, a série é baseada na série de livros “Crônicas de Gelo e Fogo” de George R. R. Martin.

Logo que estreou em 2011 a série se tornou um fenômeno mundial, ganhando não somente o público como também a crítica. Atualmente Game of Thrones possui um total de 59 prêmios Emmy.

Ainda que muitos fãs não tenham gostado do desfecho da série, a última temporada foi a mais cara de todas. Mas não que as anteriores tivessem sido baratas, já que a diferença nos valores não foi tão grande quanto se imagina.

Nesse caso, os custos elevados estão relacionados a diversos fatores. Em primeiro lugar, obviamente temos os efeitos especiais e o CGI usado para construir o mundo mágico de Game of Thrones. Além disso, outro custo ainda nesta linha são as filmagens em diferentes locações ao redor do mundo. Por último, também temos os custos com o elenco, que além de ser numeroso, possuía muitos nomes de peso.

2. The Pacific (HBO)

Cena da mnissérie ‘The Pacific’ (2010).

Em segundo lugar temos outra minissérie da HBO sobre a II Guerra Mundial. Criada por James Badge Dale, Joseph Mazzello e Jon Seda, a minissérie de 10 episódios teve um custo de USD 20 milhões por episódio. Além disso, ela também contou com Tom Hanks e Steve Spielberg no time de produtores.

Então, a série vencedora de 8 prêmios Emmy por sua vez acompanha três jovens marinheiros, Robert Leckie, Eugene Sledge e John Basilone, de três diferentes regimentos da 1ª Divisão da Marinha dos EUA. Mas, ao contrário de “Band of Brothers”, “The Pacific” mostra o front asiático da II Guerra Mundial.

Sendo assim, baseada em acontecimentos reais, os criadores usaram os livros With the Old Breed: At Peleliu and Okinawade Eugene Sledge, e Helmet for My Pillow de Robert Leckie como base para escrever a série.

Filmada na Austrália, o orçamento inicial para a realização da série era um total de USD 100 milhões, contudo com o decorrer de sua produção esse custo dobrou. Assim como sua antecessora, a maior parte do dinheiro foi direcionada para uma retratação histórica do período mostrado quase perfeita, o que exigiu tanto efeitos visuais de qualidade quanto figurinos com grande precisão.

1. Séries da Marvel (Disney+)

Por fim, o universo cinematográfico de Star Wars não foi o único a ganhar séries do serviço de streaming da Disney. Após a aquisição dos Estúdios Marvel pela Disney, o Marvel Cinematic Universe (MCU) também foi expandido para o streaming.

Séries como “Falcão e o Soldado Invernal“, “Wandavison” e “Loki” tiveram um orçamento médio de USD 25 milhões por episódio produzido, encabeçando o topo de nossa lista. Isso para cobrir os custos tanto com seu grande elenco (que conta com muitos nomes famosos), assim como os efeitos visuais e especiais das séries.

Wandavision” venceu três prêmios Emmy, enquanto “Falcão e o Soldado Invernal” foi nominada para três categorias, contudo não levou nenhuma.

E aí? Gostou? Deixe nos comentários quais séries você esperava ver na lista de hoje, e não se esqueça de compartilhar com os seus amigos!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

O que é economia e por que é importante?

Próximo

Tudo sobre risco e retorno de investimentos