Securitização é o fantasma da crise global de 2008?

É muito provável que você já ouviu falar que a crise global de 2008 é considerada uma das piores após a grande depressão de 1929.

Entretanto, o que muitos ainda não sabem são os motivos para ter desencadeado tal crise, inclusive um dos fantasmas principais: a securitização.

Por isso, se você quer entender melhor sobre esse tema, continua comigo que vou te explicar tudo!

A crise de 2008: pânico na economia e no mercado financeiro | Investificar

A CRISE GLOBAL DE 2008

Tudo começou há algumas décadas antes, quando os bancos começavam um processo de inovação financeira.

Nessa época, o mercado das hipotecas imobiliárias tomava força criando uma bolha.

Para ficar mais claro, hipoteca é a obtenção de empréstimo usando o próprio imóvel como garantia.

Dessa forma, como os juros estavam baixos, a concessão de crédito tornava-se abundante, então os investidores estavam hipotecando suas casas para investir em mais imóveis.

História O problema mora ao lado. - Capítulo 1 - História escrita por  abbymscream - Spirit Fanfics e Histórias

Nesse caso, a expansão do crédito aumentava os negócios de títulos subprime, que são financiamentos de risco.

Ou seja, as instituições financeiras (IFs) oferenciam créditos sem necessidade de comprovações à famílias de risco que tinham chance de não conseguir arcar com as hipotecas.

o “crash” da bolsa americana

Esse processo feito pelos bancos criava uma bolha financeira, pois o valor real do mercado estava mais alto do que realmente valia.

Para camuflar isso, os bancos agrupavam milhares de títulos primes e subprimes que eram ofertados aos investidores.

Esse esquema, era feito através da securitização, processo em que os bancos conseguiam repassar esses investimentos para o mundo todo.

Então, com a supervalorização, a inflação tomava proporções maiores, e para conter, os bancos tiveram que elevar os juros e o mercado imobiliário esfriou, aumentando a inadimplência e levando alguns bancos a falência.

Um marco para a época, foi a falência do Lehman Brothers, um dos bancos de investimento mais consolidado dos EUA.

Esse “evento” ocorreu em 15 de setembro de 2008.

Para resumir isso tudo, acompanhe o quadro abaixo:

Arte Folha

Afinal, O QUE É a SECURITIZAÇÃO?

A securitização consiste em transformar dívidas, como títulos subprimes, em títulos que podem ser vendidos no mercado de forma atrativa.

Para a securitização ocorrer, as IFs no caso da crise, agrupavam os títulos em uma carteira de obrigação de dívida colateralizada (CDO).

Portanto, quem comprava os CDOs, tinham na “teoria” uma segurança de receber o investimento inicial e juros em forma de cupom.

Esse processo ajudava a diversificar o risco dos bancos, porém, criava uma bolha insustentável.

Se você quer entender mais sobre os CDOs e securitização de forma mais dinâmica, clique no botão abaixo, pois o BE tem uma lista de filmes que falam sobre a crise de 2008:

CLIQUE AQUI

CDOs

Os CDOs são ainda mais sofisticados, afinal, as empresas de rating fazem uma classificação desses recebíveis. De forma genérica e simples, as classificações são feitas da seguinte forma:

  • AAA (Triple A): O melhor tipo de ativo, o qual não tem risco de inadimplencia;
  • BBB (Triple B): Qualidade média dos ativos;
  • CCC (Triple C): Muito provável de ter inadimplência;
  • DDD (Triple D): Já está em atraso e é questionável.

Em síntese, a escala de rating inicia em AAA, depois segue uma lógica decrescente de qualidade, AA, A, BBB, BB, B (…) até chegar ao D.

Vale lembrar, que os investidores tinham interesse em títulos subprime, com baixa escala de rating, pois todo investimento segue a seguinte lógica: Quanto maior o risco, maior o retorno.

Big Short GIFs | Tenor

Dessa forma, os CDOs mesclavam títulos subprimes e primes para ter uma compensação de riscos, porém, os títulos subprimes não sustentavam essa “pirâmide”, afinal, a quantia deles eram maiores.

SECURITIZAÇÃO X CDOs

O que causa uma confusão é o fato de que os CDOs são instrumentos, e a securitização é a ferramenta do mercado financeiro.

Portanto, a securitização é usada geralmente por empresas como forma de captar recursos, e também por investidores que buscam rentabilidades maiores.

7 coisas que você precisa saber sobre a Securitização

Sendo assim, vamos imaginar uma empresa X que tem muitas dívidas para receber, porém com datas futuras.

Essa mesma empresa X, deseja realizar um novo projeto hoje, então, não pode esperar receber esses valores.

Além disso, ela tem o risco de seus clientes não pagarem, e é nesse momento, que entra o papel da securitização, que transforma essas dívidas a receber em títulos para investidores, que recebem juros pelo risco arcado.

Ambos ganham, caso os clientes paguem suas dívidas nas datas combinadas, pois não teria inadimplência.

Por fim, nem sempre é isso que ocorre, como vimos no caso da crise subprime, que tinha como instrumento principal o CDO.

.

.

.

Agora que você entendeu melhor sobre a crise global de 2008 e seus fantasmas, comente aqui embaixo sua opinião para conversarmos!

E se você gostou desse texto, compartilhe com os amigos e não deixe de acompanhar o BE!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Fim da Era Merkel, o que esperar das eleições alemãs? (PARTE 1)

Próximo

Green bonds: como o Japão quer estimular o mercado da Ásia?