O que é blockchain?

Blockchain. Bitcoin. Criptomoeda. Bolsa de valores. Com certeza você já ouviu falar sobre um desses quatro assuntos nos últimos meses, não é verdade?

Nos dias de hoje, uma gama de pessoas estão ganhando e perdendo muito dinheiro por conta do tão desejado, bitcoin. E isso ocorre por muitas razões.

No texto de hoje, o Boletim Econômico vai explicar um dos motivos que registrou no aumento de 143% das buscas na internet. Além disso, tornou as transações com criptoativos, uma realidade!

Se você se interessou pelo assunto e quer conhecer mais sobre a blockchain. Está no lugar certo!

Vem com o BE. Aqui, sua dúvida vira conteúdo.

Tecnologia Blockchain

Origem

A sua primeira aparição foi em outubro de 2008, juntamente, com o bitcoin.

Naquela época, Satoshi Nakamoto formulou uma lista, conhecida como “Cryptography Mailing Liste lá, reuniu pessoas com interesse em criptografia.

Anos mais tarde, publicou o primeiro documento ligado ao bitcoin. O white paper, uma espécie de manual com a explicação do seu grande trabalho.

Em seguida, Nakamoto criou um fórum para debater sobre sua nova invenção. Bem como, conversou durante meses e anos com admiradores do assunto, pelo “Bitcointalk”.

Vale ressaltar que os estudos na categoria na qual a blockchain se encaixa, ocorrem desde 1991. De acordo o registro distribuído (DLT), Stuart Haber e W. Scott Stornetta já haviam publicado um artigo sobre o assunto.

Duas curiosidade por trás dessa tecnologia é que no ato da sua publicação, ela possuía como nome, “block” e “chain”. Ao passar do tempo e por motivos de popularidade, que é chamada de blockchain.

Além disso, até hoje, é um mistério no que se refere a identidade do criador, mas, teorias apontam que Satoshi Nakamoto poderia ser um homem, uma mulher, um grupo, ou até um membro da Yakuza, organização criminosa do Japão.

Antes do Bitcoin, portanto, não há registros de casos de uso para a tecnologia. O BTC foi a primeira grande aplicação da blockchain.

Afinal, o que é a tecnologia blockchain? e como funciona?

A blockchain é um grande banco de dados compartilhado que registra as transações dos usuários.

Do mesmo modo, as informações se armazenam em blocos que se conectam por meio de cadeias constantes. Logo, cada bloco têm elementos que se refere as transações feitas em certo período.

De forma análoga, o tempo e os blocos se alteram. À vista disso, novos blocos são adicionados à cadeia e cada um deles depende do anterior. É por isso que é chamado de blockchain.

Em suma, pode se dizer que é uma rede de computadores independentes espalhados pelo mundo que mantém uma lista de transição, permitindo que sejam verificadas e validadas.

Vale apontar que, qualquer blockchain é imutável – assim, se as transferências forem validadas e registradas. Elas serão eternas e não podem ser alteradas

Quais são os tipos de blockchain?

Existem dois grandes grupos básicos da tecnologia: as públicas e as privadas.

Nas blockchains públicas, o acesso é liberado, qualquer um pode entrar e não há uma instituição que vai ditar o modo das movimentações. Assim sendo, todos podem ver as informações sem restrição. As redes do Bitcoin e do Ethereum se enquadram nessa categoria.

Já as blockchains privadas, têm uma entidade central controlando quem pode participar, bem como as informações e as regras.

A fim de conter e fiscalizar o acesso, esse tipo de blockchain, faz jus àqueles que querem utilizar parte dos benefícios da tecnologia, mas precisam de privacidade.

Exemplos no Brasil que utilizam desse método são: Empresas, como IBM e JBS, e entidades públicas, como a Receita Federal do Brasil e os governos do Ceará e do Paraná.  

Como minerar Bitcoin?

O melhor meio que se têm, hoje em dia, para possuir Bitcoin é pela mineração.

Mineração de Bitcoin

Na origem da moeda virtual a mineração podia ser feita por qualquer individuo. De antemão, só precisava de um computador conectado a rede do BTC e uma placa de vídeo regular.

Feito isso, só bastava deixar o computador ligado que ele trabalhava para você. Assim, cálculos matemáticos eram resolvidos e o Bitcoin minerado.

Placas de vídeo minerando o Bitcoin

Hoje, no entanto, “fabricar” Bitcoin por meio de um PC é praticamente impossível. O número de pessoas ligadas nas redes é enorme. Além disso, os cálculos são mais demorados e complexos. Desse modo, a exigência de poder computacional necessário para resolvê-los aumentou muito.

O mais comum, nos dias de hoje, é que fazendas de mineração com milhares de equipamentos se dediquem à tarefa.

Polo de mineração

Assim, caso consiga obter sucesso ao minerar, a recompensa é de 6,25 BTC por bloco minerado. Em suma, dá em torno de R$ 2,1 milhões, conforme a cotação da criptomoeda do dia 29 de outubro de 2021.

A estimativa é que o último BTC seja minerado só em 2140. 

Como investir em Bitcoin?

A princípio, você deve abrir uma conta em uma corretora ou exchange. Em seguida, ela será responsável por converter as criptomoedas em dólar ou real por exemplo. Conforme feito, você precisa se cadastrar em uma delas e transferir fundos para a sua conta

Desse modo, é possível depositar e sacar para carteiras de Bitcoins. Assim, se gera um endereço público composto por números e letras. Conforme vimos, as carteiras podem ser virtuais, em aplicativos, ou físicas. Dessa maneira, elas são protegidas por uma chave privada, que será utilizada, apenas, pelo dono.

Agora que você já sabe um pouco sobre como a negociação de criptomoedas é realizada, a seguir listamos algumas instituições para você decidir qual a melhor corretora de Bitcoin. 

  • Coinext
  • Foxbit
  • Bitblue
  • BitcoinTrade
  • Nox Bitcoin

E aí, caro leitor? Já havia imaginado como esse mundo das criptos é imenso e complexo? Além disso, se você possuir alguma dúvida, deixe nos comentários. Feito isso, responderemos assim que possível. No mais, um grande abraço e até a próxima leitura.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Queda de inscrições no ENEM e impactos econômicos

Próximo

O mercado da Fórmula 1