Se você ainda não viu nos jornais sobre o Premio Nobel de economia deste ano (2019). Este post é perfeito para você entender as características desse estudo vencedor, além dos economistas participantes.

Anualmente, o Banco Central da Suécia, premia os principais estudos em diversas áreas do conhecimento. Com isso, os estudos em Química, Literatura, Física, Medicina e Economia tem seus estudos premiados anualmente.

No último mês, na Suécia, o Prêmio Nobel de Economia foi nomeado para o estudo do combate à pobreza mundial. Os economistas, Abhijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer foram os responsáveis pelos cálculos e experimentos nessa área.

Porém, por ser um estudo do meio acadêmico, suas teorias são dificilmente mostradas para o grande público. Por causa disso nesse post, eu vou mostrar a importância desse prêmio para o cenário mundial.

Então, vem comigo para entender mais sobre um dos de grande importância “Combate à Pobreza Mundial”.  

Entendendo a teoria “vencedora “ do Nobel

Por um breve resumo, a teoria central sobre o combate à pobreza são divididas como os trabalhos dos três ganhadores.

Esther Duflo:

A economista francesa, doutora e professora pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), tem suas principais teorias voltadas aos estudos da economia.

Para ela os estudos econômicos deveriam se voltar em exclusividade para a transformação social e proteção ao mais pobres.

Juntamente com os fatores acima, a economista em seu livro  “Repensando a pobreza: uma virada radical na luta contra a desigualdade global”,  prega que a pobreza é analisada de maneira romantizada, o que só atrapalha o seu combate.

Como resultado dessas idéias, a francesa foi apenas a segunda mulher a receber um nobel de economia. Por causa disso sua importância foi destacada pelo presidente francês Emmanuel Macron.

Tradução: O magnífico Prêmio Nobel de Esther Duflo nos lembra que os economistas franceses estão atualmente no melhor nível mundial e mostra que pesquisas nesse campo podem ter um impacto concreto no bem-estar da humanidade.

Abhijit Banerjee 

O indiano de 58 anos, esposo de Esther Duflo, foi um dos principais responsáveis pela prática do estudo. 

Da mesma forma que sua esposa, ele acredita na transformação social feita pela economia. Devido a isso, os dois fundaram o Laboratório de Pesquisa Abdul Latif Jameel, um centro de estudo para o desenvolvimento de políticas sociais. 

Além do Laboratório, o indiano teve uma papel de extrema importância tanto quanto os outros em organizações como a ONU, com o objetivo de agir na economia de países pobres.

Michael Kremer

O único economista norte-americano desse projeto, o premiado Michael Kremer, tem como contribuição, a ação na política da demanda assim como a de tributação de medicamentos à países pobres.

Essa ação é baseada na alta elasticidade do remédio, o que mostra que quanto maior o preço menor sua demanda. 

Kremer agiu na questão da necessidade da população em relação ao medicamento, o que deu muitos resultados positivos em relação aos mais pobres.

A importância do americano é antes de mais nada a de ser o principal responsável pela entrada de capital privado nas pesquisas do trio.

A verdadeira importância do prêmio Nobel

Bom, em suma, o Nobel de 2019 foi pautado imediatamente em um discurso de combate à pobreza mundial. 

Esse tema, indica sobretudo uma precaução global em possíveis outras grandes recessões mundiais.

O investimento em políticas de demanda e na analise do comportamento dos agentes econômicos indicam um destaque às ações estatais. 

Portanto, o prémio Nobel é um grande indicador para o “espírito” da economia mundial nos próximos anos.

Por causa disso, continue de olho no Boletim Econômico para se manter antenado nas notícias da economia mundial.

Veja Mais