Em abril de 2020 o governo brasileiro e o Itamaraty decretaram que todos os diplomatas venezuelanos deveriam deixar o país o mais rápido possível. Ainda mais, a embaixada da Venezuela em Brasília seria fechada, e os consulados venezuelanos seriam interditados.

Em março, o governo de Jair Bolsonaro já havia determinado que todos os diplomatas brasileiros deveriam deixar a Venezuela.

Como isso ocorreu e quais as consequências políticas? O BE te explica!

A diplomacia do governo Bolsonaro e a Venezuela

Em primeiro lugar, precisamos entender o histórico da diplomacia praticada por Ernesto Araújo a frente do Itamaraty.

Desde o início de seu governo, Jair Bolsonaro prometeu medidas duras contra a Venezuela, que atualmente vive um governo de esquerda e totalitário.

Deste modo, o Itamaraty tem agido, desde o início de 2019, de forma a repudiar a diplomacia venezuelana. Frequentemente em reuniões da ONU, seja na Assembleia Geral ou nos escritórios, os diplomatas brasileiros abandonaram sessões ao início do discurso da Venezuela.

Por vezes, ainda, os brasileiros protestaram contra a fala da delegação venezuelana em eventos internacionais, além de emitir documentos de repúdio.

Brasil e Venezuela na ONU

Por que o Brasil expulsou os diplomatas?

Anteriormente, no início de março, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil emitiu um comunicado, pedindo que diplomatas brasileiros deixassem a Venezuela o mais rápido possível. 

Com isso, a delegação brasileira foi obrigada a sair do país, o que começou a desestabilizar a relação diplomática, muito mais que brigas e notas repúdio na ONU.

Logo após o presidente Donald Trump ameaçar a Venezuela militarmente, um mês mais tarde da retirada da delegação brasileira de Caracas, o Itamaraty foi além.

Assim, um documento assinado no dia 28 de maio, classificado como “urgentíssimo”, comunicou que 34 diplomatas e servidores venezuelanos estavam oficialmente expulsos do Brasil:

A lista, que segue por mais duas páginas, possui os nomes de todos os empregados que desempenhavam funções não apenas diplomáticas, mas também administrativas e burocráticas nos consulados venezuelanos. 

Ainda mais, o documento exigiu que todos os servidores venezuelanos deixassem o país imediatamente.

brasil expulsa diplomatas

Quais as consequências?

Não é a primeira vez que o governo de Jair Bolsonaro e o Itamaraty de Ernesto Araújo demonstram uma diplomacia ofensiva com países latino americanos.

Anteriormente, em 2019, o presidente brasileiro se posicionou contra o resultado das eleições na Argentina.

Da mesma forma, o Brasil tem tentado redefinir as relações do Mercosul, na expectativa de se tornar um líder ainda mais presente. Além disso, o Itamaraty ameaça deixar o Mercosul, caso as decisões tomadas no bloco econômico não estejam totalmente de acordo com os desejos brasileiros.

O Brasil tem demonstrado, cada vez mais, estar de acordo com a política externa estadunidense, tendendo a agir para o lado dos Estados Unidos na balança internacional.

Um dos problemas causados por isso é a discrepância com o resto do mundo. No passado, a diplomacia brasileira possuía condecorações internacionais por se mostrar efetiva, imparcial e recíproca.

Isto é: o Brasil agir de forma a preferir a cooperação entre os países, e se aproveitava disso. Agora, ao que tudo aponta desde 2019, o Itamaraty tende à resolução conflituosa das situações internacionais, preferindo tomar a ofensiva.

O questionamento agora é: o que acontecerá com as embaixadas venezuelanas?

A maior aposta dos analistas internacionais é de que o governo Bolsonaro convidará diplomatas venezuelanos unidos a Juan Guaidó, presidente autodeclarado da Venezuela, para assumir os postos. 

Por enquanto, a ação ainda não foi feita. No entanto, parece ser questão de tempo.

Por outro lado, Donald Trump vem pressionando Maduro para que o atual presidente da Venezuela deixe o cargo, e ceda a poltrona presidencial a Guaidó.

🎓📰 O Boletim Econômico é uma iniciativa de estudantes para estudantes. Por isso, se gostou do post, compartilhe com seus amigos e deixe-nos saber!