Donald Trump resolveu aplicar tarifas ao Brasil e Argentina. Mas o que isso significa para nossa economia? É o que te contamos neste post. Vem com o BE!

Há algum tempo estamos conversando sobre a guerra tarifária entre China e EUA. Bem como, temos falado muito sobre como isso afeta o Brasil.

No entanto, algo que ninguém esperava aconteceu na última segunda-feira (02). O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em seu Twitter a imposição de tarifas ao Brasil sobre as exportações de aço e alumínio.

Tradução: Brasil e Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas. o que não é bom para os nossos agricultores. Portanto, com efeito imediato, restaurarei as Tarifas em todo Aço e Alumínio enviado para os EUA a partir desses países…

Afinal, o que são as tarifas?

Tarifas são uma forma de sanção que os países utilizam para fazer política comercial. Ao colocar uma tarifa em importações de outro país, você torna esses produtos mais caros. É uma espécie de taxa bônus que o importador deve pagar para comprar mercadorias de outro país.

Desta forma, ao impor tarifas sobre produtos brasileiros e argentinos (aço e alumínio), Trump espera que os americanos paguem mais caro para importar. Assim, eles devem comprar menos mercadorias destes países.

trump, brasil

Quais motivos levariam Brasil e Argentina a uma sanção comercial?

Em seu Twitter, o presidente justificou a imposição de tarifas por meio do câmbio argentino e brasileiro. Trump alegou que Brasil e Argentina estavam propositalmente desvalorizando suas moedas (peso e real).

A moeda de determinado país desvalorizada, isto é, mais barata, faz com que este país consiga exportar maiores níveis de mercadoria. Isto acontece pois, para os outros países, se torna mais barato comprar produtos brasileiros e argentinos. 

Consequentemente, os americanos estavam comprando mais aço e alumínio brasileiros e argentinos. Enquanto isso, o mercado dos EUA vende cada vez menos, o que pode prejudicar a indústria metalúrgica americana.

A moeda brasileira está sendo desvalorizada propositalmente?

A resposta é bem simples: não.

O Brasil vive hoje um regime de câmbio flutuante. Isto significa que o câmbio brasileiro é controlado pelo próprio mercado, por meio de oferta e demanda. Além disso, o Banco Central não intervém diretamente em seu preço.

Porém, um dos fatores que têm ajudado o câmbio brasileiro a desvalorizar, é a guerra comercial entre Trump e Xi Jinping. O medo de uma recessão global, somado a outros motivos, que causou uma alta do dólar. Com isso, todas as outras moedas parecem mais desvalorizadas.

Além disso, vale lembrar que a Argentina passa por uma forte crise interna, o que faz com que sua moeda valha cada vez menos

Mas então, por que Trump tomou esta decisão?

O presidente dos Estados Unidos disse que a moeda desvalorizada do Brasil e da Argentina geravam prejuízo para os produtores americanos. De acordo com Donald Trump, outros países se aproveitam da alta do dólar, exportando mais e prejudicando a indústria americana.

No entanto, isso já vem ocorrendo há bastante tempo, e que Donald Trump demorou a tomar a atitude. Um dos primeiros motivos para a decisão neste momento é a sua tentativa de reeleição em 2020.

Na expectativa de conquistar votos de fazendeiros e produtores da indústria de aço e alumínio, que é forte nos EUA, Trump tenta achar formas de favorecê-los.

Assim, o presidente espera dar incentivos à estes comerciantes, enquanto cria empregos nas respectivas indústrias e aumenta suas chances de reeleição.

trump

Quais as consequências disso para o Brasil e os Estados Unidos?

O Brasil deve perder grande nível em exportações para os Estados Unidos, o que prejudicará nosso setor de aço e alumínio. É importante lembrar que a indústria brasileira destes produtos tem grande impacto no PIB, o que pode nos causar muitas complicações.

Além disso, com a diminuição na demanda por estas mercadorias, o Brasil terá uma menor entrada de dólares, o que pode fazer com que o real desvalorize ainda mais, aumentando momentaneamente suas exportações. Porém, prejudicando outros setores do país.

Já nos Estados Unidos, os produtores de aço e alumínio devem ficar felizes, já que venderão maiores quantidades internamente. No entanto, as notícias são ruins para outros setores, como o automotivo. Este precisará comprar mercadorias mais caras, em vez de importá-las a um preço menor.

A jogada de Trump pode conquistar eleitores que dependem da venda de aço e alumínio, mas com certeza desagradará aqueles que dependem da compra destes bens.

A nós, resta esperar o resultado deste possível tiro no pé que o presidente americano se deu. Além de torcer para que o governo brasileiro consiga reverter a situação por meios diplomáticos.

Quer saber mais sobre comércio exterior? Leia também:

• Guerra comercial: entenda a maior tensão mundial em 2019
• A importância da economia em Relações Internacionais
• Briga entre EUA e Europa dificulta a entrada do Brasil na OCDE