Tudo sobre a reunião do Mercosul que terminou em discussão política

Na sexta-feira (26/03), a cúpula do Mercosul se reuniu virtualmente em um encontro de comemoração dos 30 anos do bloco. Mas as discussões logo ficaram tensas. Essa reunião do Mercosul mostrou desentendimento entre os presidentes, e falta de acordo sobre o futuro do grupo.

Quer entender o porquê dessas discussões? É o que nós vamos explicar hoje.

A Tarifa Externa Comum do Mercosul

O Mercosul é uma união aduaneira, ou seja, além da circulação livre de bens e serviços entre os membros, eles também adotam uma Tarifa Externa Comum, ou TEC. Isso quer dizer que eles se comprometem a manter uma mesma tarifa para importações que vem de fora do bloco.

Assim, os países do bloco adotam a TEC porque ela é uma forma de unir as suas economias, e torná-las mais competitivas no mercado internacional.

Mas a TEC aceita hoje várias exceções, já que permite que os países tenham uma lista de produtos que não precisam estar sujeitos à tarifa comum.

A principal questão que dividiu opiniões na reunião do Mercosul foi a possibilidade de revisão da TEC. Foi sobre esse tema que a discussão entre o presidente da Argentina, Alberto Fernández, e o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, tomou um tom mais exaltado.

Qual a posição do Brasil?

O presidente Bolsonaro começou defendendo a redução da TEC. Além disso, ele também apoiou a proposta de flexibilização do consenso, para que os países negociem acordos comerciais em separado. Ou seja, mesmo se os outros membros não estivessem interessados, os países poderiam negociar sozinhos.

O Brasil já tinha enviado um plano desse tipo ao Mercosul, em 2019. Mas, agora, traz uma proposta mais moderada de redução da tarifa, já que vem encontrando resistência da Argentina.

Bolsonaro defende revisão de tarifas do Mercosul e deixa encontro antes do  fim - Folha PE

A posição da Argentina: “o sentido da nossa integração é construir uma agenda comum”

Apesar de o presidente Alberto Fernández ter dado sinais de que concordaria com uma redução da TEC no começo do ano, a situação parece ter mudado.

Sua postura nessa reunião do Mercosul foi de oposição direta à proposta do Brasil. Fernández abriu a cúpula falando contra a redução da TEC nesses termos. Pelo contrário, ele falou em uma “revisão racional e pragmática, com maior objetividade e com a preocupação para a geração de empregos”.

Por causa da crise na Argentina, a proteção à sua indústria pode ser o interesse de Fernández nesse momento. O PIB da Argentina caiu 10% ano passado, e a inflação continua em alta.

GIF by ElDestape

Além disso, ele também propôs a criação de um observatório para monitorar as diplomacias dos países do Mercosul. Da mesma forma, falou de um sistema para o meio ambiente, e para a prevenção da violência de gênero.

Como nós já falamos aqui, a falta de mecanismos confiáveis para a proteção ambiental é uma das principais causas que dificultam o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. Como resultado, vários países europeus optam por não ratificar o acordo no seu estado atual.

A discussão entre Argentina e Uruguai

No entanto, todos os outros governantes resistiram à posição da Argentina nessa reunião do Mercosul.

O Paraguai falou de forma mais moderada. Enquanto aceita a revisão da TEC, também prefere continuar negociando os acordos em conjunto. Além disso, o país foi o único a falar em cooperação para ter acesso a vacinas contra o Covid-19.

O Uruguai, por outro lado, falou que o país precisa de flexibilização rápida, e não tem tempo para comissões. O presidente Luis Lacalle Pou disse que o Mercosul não deve ser um “espartilho que impeça nossos países de se mexer”. Ele disse que estava insatisfeito, e que o bloco deveria ser um “trampolim”, e não uma “carga”.

Ava Gardner Corset GIF

Por isso, ele pede uma flexibilização rápida, em termos que tem que ser discutidos, “mas o Uruguai precisa avançar”. Essa é a pauta que o Brasil trazia, de permitir acordos sem alguns membros. Então, ele concorda com o Brasil nessa questão.

O Uruguai já pede há anos a capacidade de negociar sozinho. Essa é a condição para que o país aceite a reforma da TEC. Agora que o acordo entre Mercosul e União Europeia está parado, o Uruguai quer apostar em outros parceiros, como a China.

Ao fim da reunião, Fernández respondeu: “se nos tornamos uma carga, lamento. A verdade é que não queremos ser uma carga para ninguém. É mais fácil descer do barco se essa carga pesa muito”. Mas reafirmou que o Mercosul não é “peso morto” para ninguém.

Entraves no Mercosul

Os atritos na reunião de 30 anos do Mercosul deixaram claro as visões diferentes que os países têm da sua participação no Mercosul e do futuro do bloco.

Quando o Tratado de Assunção foi assinado, em 1991, a visão era a de formar um mercado comum, com base na União Europeia. Mas o grupo não teve muito progresso nessa direção.

O ex-presidente José Sarney, um dos precursores do Mercosul, diz que o bloco não atendeu às expectativas de 30 anos atrás. Ainda falta aprofundar a integração por setores, e incorporar outros países da América do Sul.

O avanço na integração do Mercosul depende da disposição dos membros de fazer isso acontecer. Mas com só a Argentina puxando esse discurso, o bloco parece ir pelo caminho oposto.

E você, o que achou dos resultados dessa reunião? Comente abaixo sua opinião!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Primeira onda do feminismo e economia, qual a relação?

Próximo

Crises Econômicas no Brasil: Quais as semelhancas e diferenças entre 2015 e 2020?