Não é de hoje que o governo Bolsonaro fala sobre a unificação de programas sociais no Brasil. Porém, por causa da pandemia do Coronavírus esse tema tinha ficado de lado.

Na terça-feira (9), o Ministro da Economia Paulo Guedes, além de divulgar a extensão do auxílio emergencial, voltou a falar sobre essa unificação, o programa Renda Brasil.

Mas, o que irá mudar nos programas sociais?

Para entender direitinho, vem comigo que eu te explico.

Coronavírus e a crise

A crise do Coronavírus mudou vários aspectos da economia do país. Paulo Guedes tem um conceito econômico liberal e suas ações estavam sendo tomadas para diminuir o gasto público.

Dessa maneira, a crise veio como um “soco no estômago” para o ministro. Assim, a economia praticamente foi desligada e ele não tinha outra alternativa para o país, ele teve que aumentar esse gasto.

Assim, ele fez isso através do auxílio emergencial, que na proposta do governo era de 200 reais mensais, e o Congresso Nacional aumentou para 600 reais.

Quer saber mais sobre esse auxílio? Clique no botão abaixo.

O Brasil aumentou esse gasto em praticamente 150 bilhões de reais. Só de pensar em todo esforço para passar a Reforma da Previdência, para economizar 1 trilhão em dez anos, gastar tudo isso deve ter sido um peso para o Ministro.

Tem que vender essa p**** logo, diz Guedes sobre Banco do Brasil ... Renda Brasil

Segundo o Ministro, o valor de 600 reais era pela situação de emergência que o país se encontrava. Agora, quando anunciou mais dois meses de auxílio, ele disse que esse valor será de no máximo 300 reais.

No entanto, para diminuir o valor, o governo tem que mandar outro projeto para o Congresso, que já deu sinais de querer manter os 600 reais.

Da mesma forma, o ministro aproveitou para falar sobre a Renda Brasil, aonde ele irá unificar vários programas sociais e incluir os informais auxiliados pelo “Coronavoucher”.

Renda Brasil

Sobre o programa em si, Paulo Guedes ainda não expôs muitos detalhes. Quais programas serão substituídos, quantas pessoas irão receber e até o valor recebido não foram divulgados.

Dessa maneira, ele falou apenas que o Bolsa Família seria substituído e que atingiria mais pessoas. 

A crise do Coronavírus mostrou para o governo que existem pessoas que não tem nenhum registro físico e que merecem ser incluídos no mercado de trabalho.

Segundo palavras do Paulo Guedes, “… Aprendemos com essa crise que havia 38 milhões de brasileiros invisíveis e que também merecem ser incluídas no mercado de trabalho.”

Dessa maneira, essas pessoas “invisíveis” para o governo, que não recebiam nenhum auxílio serão beneficiadas pela Renda Brasil.

Do mesmo modo, é de conhecimento público que existem alguns programas sociais que são falhos. Dessa maneira, transferir os recursos desses para apenas um programa para ampliar o alcance da Renda Brasil seria muito benéfico.

É o caso do Abono Salarial (valor pago anualmente para pessoas que recebem até 2 salários mínimos), seguro-defeso (pago para pescadores em períodos que a pesca é proibida) e o farmácia popular.

Assim, esses podem ser alguns dos programas que irão compor o Renda Brasil.

animation sport GIF by Lobster Studio

Marketing do Renda Brasil

O Bolsa Família é um programa social muito atrelado ao governo do Partido dos Trabalhadores (PT). Esse faz oposição ao atual governo de Jair Bolsonaro.

Dessa forma, extinguir o nome Bolsa Família e criar um novo programa social com outro nome, pode ser uma forma de vincular esse programa ao atual governo.

Desse modo, é muito improvável que esse seja o motivo principal para a criação do programa. Porém, isso provavelmente foi pensado pelo marketing do governo Bolsonaro, já que sua popularidade com as pessoas de baixa renda aumentou após o auxílio emergencial.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos e familiares!