Taxa Selic. Em algum momento na sua vida você já ouviu esse nome. Ainda assim, é bem provável que até hoje você não saiba o que significa. Ainda mais, qual a influência dessa taxa no seu dia-a-dia. Ou qual a interferência na economia do país.

Compreender a taxa Selic é fundamental com cidadão para o entendimento da economia do país. Como também, para organizar melhor as suas finanças pessoais. Uma vez que ela interfere diretamente na sua economia pessoal.

Dessa forma, vamos entender o conceito da Selic e depois algumas implicações dela no seu cotidiano.

O que é taxa Selic?

O Sistema de Especial de Liquidação e Custódia, ou Selic, é um dos principais indicadores econômicos do Brasil. Por isso, essa taxa é também chamada de taxa básica de juros.

Na verdade, essa taxa rege o custo do crédito no Brasil. Isso quer dizer que, além do valor do crédito, haverá essa taxa mínima de custo que será acrescida. E também, é através da Selic que o Banco Central (Bacen) consegue monitorar a inflação do país. Do mesmo modo, ele consegue controlar as emissões, vendas e compras de títulos públicos.

E como essa taxa é definida? Quando ela aumenta ou diminui?

A cada 45 dias existe uma reunião dos diretores do Bacen chamada de Copom. E nesse encontro é analisado a situação econômica atual do Brasil e então é definido, um aumento, uma redução ou a permanência da taxa.

Ok… tudo isso foi dito para que você compreendesse o conceito da taxa Selic. Agora que tudo foi explicado, vou te mostrar a influência dela no seu dia-a-dia.

Caso queira consultar o valor atual da taxa Selic, clique aqui.

A Selic e o consumo

Como eu já disse anteriormente, a Selic é responsável pelo custo do crédito, ou seja, ela interfere diretamente no custo do dinheiro.

A Selic baixa gera um estímulo no consumo do país. Uma redução nessa taxa significa que o crediário está mais baixo e acessível aos consumidores. Logo, a população tende a comprar mais.

Contudo, um aumento muito grande no consumo pode gerar uma superação da demanda sobre a oferta do mercado. Entretanto, a demanda maior reflete a uma evento negativo, a inflação. A solução para reduzir a inflação, é aumentar a taxa básica de juros, a Selic.

E logicamente, aumentando-se a taxa Selic obtemos um aumento no crediário. Como resultado, há uma redução no consumo para reequilibrar o mercado.

É muito importante entender que, essa é uma situação generalizada. A economia é muito mais complexa e vários fatores não estão sendo citados na explicação.

A Selic e o desemprego

Se a taxa influência no consumo, logo ela também afetará o volume de demanda nas empresas. Consequentemente, para que a demanda seja atendida é necessário uma maior mão-de-obra.

Além disso, uma menor taxa básica de juros atrai empresas a investirem cada vez mais no país. Tendo em vista que, o crédito é menor e uma redução reflete numa melhora no cenário econômico.

E logicamente, o efeito contrário acontece quando esse indicador aumenta. 

A Selic nos investimentos

Sim! essa taxa impacta nos seus investimentos financeiros, principalmente se eles estiverem ligado a taxa, ou aplicados no tesouro direto.

Basicamente, a maioria dos investimentos de renda fixa sofrem com a diminuição nessa taxa, principalmente o CDI, pois esses tipos de investimentos estão associados a Selic.

Estes são alguns títulos que variam de acordo a taxa Selic:

  • LCI – Letras de Crédito Imobiliário
  • LCA – Letras de Crédito do Agronegócio
  • LC – Letras de Câmbio
  • CDB – Certificado de Depósito Bancário
  • CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários
  • CRA – Certificado de Recebíveis do Agronegócio
  • Debêntures

Portanto, o “investidor conservador” ou seja, aquele que não se arrisca em mercado de ações, não tem saída?

Claro que não! 

Existe uma taxa chama IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que é considerado a taxa da inflação. Como já disse no início deste post, a inflação tende a se comportar de forma contrária a taxa Selic. Logo se a Selic está em baixa a tendência é a IPCA aumentar.

Aqui estão algumas alternativas de investimentos que utilizam a taxa IPCA:

  • Tesouro Direto (IPCA+ e o IPCA+ com Juros Semestrais)
  • Debêntures
  • CDBs
  • LCI/LCA
  • CRI/CRA

Conclusão

Resumidamente, a taxa básica de juros, tem grande importância na vida dos brasileiros. E por mais que você ainda não invista em títulos, agora você entenderá os impactos no aumento e na redução dessa taxa.

Espero que tenha gostado deste artigo 🙂

Nos diga nos comentários o que mais te interessou no artigo e se ficou alguma dúvida, pode deixar lá também!