No dia 31 de janeiro de 2020, o Reino Unido saiu da União Europeia (UE) depois de 47 anos inserido no grupo.

Porém, ainda existe algumas pendências a serem resolvidas pelas partes, porém, elas estão longe de se entenderem.

No post de hoje, iremos explicar o porquê da saída do Reino Unido da União Europeia, quais são esses acordos que estão sendo feitos nesse momento, durante uma pandemia.

Brexit

Antes de mais nada, temos que entender o motivo da saída do Reino Unido da União Europeia, ou, para resumir, Brexit.

Em 2016, foi feito um referendo no Reino Unido para saber se as pessoas queriam que o Reino continuasse na União Europeia ou se queriam q saísse. A maioria da população quis a saída. Dessa forma, começou o processo de “divórcio”.

Depois de longas tentativas, essa saída ocorreu no dia 31 de janeiro de 2020, ou seja, quase 4 anos após o referendo.

Se você quiser saber todo esse processo de maneira detalhada, clique no botão abaixo.

Porém, vamos entender o motivo da saída. Por ser um bloco econômico, todas as pessoas dos países compostos na UE tinham livre acesso ao Reino Unido, o que facilitava a ida de imigrantes para o país.

Por outro lado, não estava sendo vantajoso para o Reino Unido financeiramente, visto que esse tinha que arcar com muitos custos de países que não estava bem economicamente, isto gerava um custo de bilhões de dólares.

Nigel Farage Goodbye GIF UE

Veja também: Lei das fake news de maneira simples e clara

Os acordos de hoje

Essas negociações que estão acontecendo são sobre o livre-comércio entre a UE e o Reino Unido. Porém, esse acordo não está saindo do lugar.

Dessa maneira, outro fator que tem contribuído com essa estagnação é a pandemia do COVID-19, na qual obriga centenas de negociadores a trabalharem por vídeo-conferência.

E nós, estudantes, já estamos achando difícil as aulas por vídeo, imagina negociar o futuro do seu país assim?

Porém, ambas as partes estão acusando um ao outro de estar impondo regras não equilibradas.

O Reino Unido disse que a União Europeia quer “propostas desequilibradas que vinculariam o Reino Unido a regras, ou padrões europeus.”

Em contrapartida, a UE diz que os britãnicos querem “uma espécie de compilação do melhor dos acordos comerciais”.

Assim, para a UE e para o Reino Unido, é muito difícil sair dessas negociações algo diferente dos britânicos deixarem o livre-comércio.

Dessa forma, caso esse embate ainda continue, o Reino Unido disse que irá deixar as negociações, estipulando uma data-limite para elas serem feitas.

Por outro lado, a UE acha que por causa da pandemia do Coronavírus, o Reino Unido não deixará de lado os acordos, mesmo que esses continuem empacados.

realtor negotiate GIF by CALIFORNIA ASSOCIATION OF REALTORS® UE

Veja também: Adam Smith: Quem foi o pai do liberalismo?

As divergências

Esse acordo não está acontecendo por uma série de divergências, que incluem concorrência leal (sobre normas ambientais, sociais e fiscais), ou o direito de pescadores usarem águas britânicas.

Dessa forma, o medo maior é de acontecer um “no deal”, ou “não-acordo”, que acontece quando ambas as partes se rompem sem nenhuma concordar com o acordo.

Assim, isso traria efeitos devastadores para muitos países, até mesmo para o Brasil, já que a UE confirmou que cotas específicas de importação de produtos brasileiros irá deixar de existir, fazendo o país perder milhões de reais.

Vamos torcer para eles entrarem em acordo, não é mesmo?

Kimmy Schmidt Good Luck GIF by Unbreakable Kimmy Schmidt UE

Veja também: 10 palavras que todo investidor deve conhecer

E você, o que achou do texto? Deixe nos comentários sua opinião para a gente.